Curso Osmose Reversa

Curso Osmose Reversa
Foto Ilustrativa

Curso Osmose Reversa

Nome Técnico: Curso Capacitação Como Fazer Osmose Reversa

Referência: 52063

Ministramos em Idioma Técnico: Português, Inglês, Espanhol, Alemão, Mandarim, Cantonês, Japonês, entre outros.

Curso Osmose Reversa
O objetivo do Curso é capacitar profissionais a realizar o método de purificação de água chamado Osmose Reversa, o qual se resume na eliminação de sais dissolvidos, íons de metais pesados e contaminantes pela separação destes solutos da água (solvente) por uma membrana semipermeável.

O que é Osmose Reversa?
Trata-se do processo inverso da filtragem de água por Osmose. A filtragem por osmose consiste na separação de soluto (impurezas) e solvente (água) por uma membrana semipermeável, a qual retém as impurezas e é permeável apenas pela água. O Processo inverso é a mudança no sentido do fluxo de água, forçando-a a atravessar a membrana a partir da aplicação de uma pressão maior do que a pressão osmótica natural, e resulta em água ultrapura.

Escolha Seu Plano

100% Presencial

40 Horas - Com Experiência

Nossa Sede ou In Company DDD 11

Outros Locais Consultar

R$ 
Consultar

Por Pessoa/Turma (PagSeguro)

Semipresencial/Reciclagem

32hs EAD / 08hs Presenciais

Nossa Sede ou In Company DDD 11

Outros Locais Consultar

R$ 
Consultar

Por Pessoa/Turma (PagSeguro)

EAD (Ensino a Distância)

40 Horas - Com Experiência

Totalmente Online

Imperdível!

R$ 
Consultar

Por Pessoa/Turma (PagSeguro)

Preços Especiais

para Empresas/Turmas

Consulte

Conteúdo Programático

Curso Osmose Reversa

Conceito de Osmose Reversa;
Osmose e Osmose Reversa;
Soluto X Solvente;
Meio hipotônico;
Meio hipertônico;
Separação de soluto e solvente;
Concentração de soluto na água;
Membrana Semipermeável;
Passagem de água;
Retenção de impurezas;
Fluxo de água;
Sentido do Fluxo;
Inversão do sentido do fluxo;
Pressão;
Pressão osmótica natural;
Máquinas e equipamentos auxiliares;
Passagem forçada de água pela membrana;
Camada de barreira densa da membrana;
Difusão;
Uniformidade na concentração da mistura;
Conscientização da Importância do Manual de Instrução de Operação do Equipamento;
Prevenção de acidentes;
Exercícios práticos;
Impacto e fatores comportamentais na segurança;
A importância do conhecimento da tarefa;
Avaliação Teórica e Prática;
Registro de Evidências;
Certificado de Participação.

Referências Normativas quando for o caso aos dispositivos aplicáveis e suas atualizações:
NBR 12216- Projeto de estação de tratamento de água para abastecimento público;
NBR 12209 – Projetos de Estações de Tratamento de Esgoto Sanitários;
L5.102 Determinação de alcalinidade em águas – Método de titulação potenciométrica até pH pré determinado – Método de ensaio;

 

Atenção:
EAD Ensino a Distância, Presencial e Semipresencial

Base Legal – Norma Técnica 54 Ministério do Trabalho
RESPONSABILIDADES – Como a capacitação em SST é obrigação trabalhista a ser fornecida pelo empregador a seus trabalhadores em razão dos riscos oriundos da atividade explorada, é de inteira responsabilidade do empregador garantir sua efetiva implementação, sujeitando-se às sanções administrativas cabíveis em caso de uma capacitação não efetiva ou ainda pela capacitação de má qualidade que não atenda aos requisitos da legislação. É indispensável observar que, ainda que se opte pela realização de capacitação em SST por meio de EaD ou semipresencial, é salutar que toda capacitação seja adaptada à realidade de cada estabelecimento. É que o trabalhador está sendo capacitado pelo empregador para atuar em determinado espaço, logo, uma capacitação genérica não irá atender às peculiaridades de toda e qualquer atividade econômica. Veja na íntegra Nota Técnica 54 do Ministério do Trabalho MT Clique Aqui

Carga Horária

Curso Osmose Reversa

Participantes sem experiência:
Carga horária mínima = 80 horas/aula

Participantes com experiência:
Carga horária mínima = 40 horas/aula

Atualização (Reciclagem):
Carga horária mínima = 16 horas/aula

Atualização (Reciclagem): O empregador deve realizar treinamento periódico Anualmente e sempre que ocorrer quaisquer das seguintes situações:
a) mudança nos procedimentos, condições ou operações de trabalho;
b) evento que indique a necessidade de novo treinamento;
c) retorno de afastamento ao trabalho por período superior a noventa dias;
d) mudança de empresa;
e) Troca de máquina ou equipamento.

Certificado: Será expedido o Certificado para cada participante que atingir o aproveitamento mínimo de 70% (teórico e prático) conforme preconiza as Normas Regulamentadoras.

Critérios dos Certificados da Capacitação ou Atualização:
Nossos certificados são numerados e emitidos de acordo com as Normas Regulamentadoras e dispositivos aplicáveis:
Emissão da A.R.T. (Anotação de Responsabilidade Técnica);
Nome completo do funcionário e documento de identidade,;
Conteúdo programático;
Carga horária; Cidade, local e data de realização do treinamento;
Nome, identificação, assinatura e qualificação do(s) instrutor(es);
Nome, identificação e assinatura do responsável técnico pela capacitação;
Nome e qualificação do nosso Profissional Habilitado;
Especificação do tipo de trabalho e relação dos tipos de espaços confinados;
Espaço para assinatura do treinando;
Informação no Certificado que os participantes receberam DVD contendo material didático (Apostila, Vídeos, Normas etc.) apresentado no treinamento.
Evidencias do Treinamento: Vídeo editado, fotos, documentações digitalizadas, melhoria contínua, parecer do instrutor: Consultar valores.

Causas do Acidente Trabalho:
Falta de cuidados do empregado;
Falta de alerta do empregador;
Mesmo efetuando todos os Treinamentos e Laudos obrigatórios de Segurança e Saúde do Trabalho em caso de acidente de trabalho o empregador estará sujeito a Processos tipo:
1- Inquérito Policial – Polícia Civil;
2- Perícia através Instituto Criminalista;
3- Procedimento de Apuração junto Delegacia Regional do Trabalho;
4- Inquérito Civil Público perante o Ministério Público do trabalho para verificação se os demais trabalhadores não estão correndo perigo;
5- O INSS questionará a causa do acidente que poderia ser evitado e se negar a efetuar o pagamento do benefício ao empregado;
6- Familiares poderão ingressar com Processo na Justiça do Trabalho pleiteando danos Morais, Materiais, Luxação, etc.;
7- Tsunami Processuais obrigando o Empregador a gerar Estratégia de Defesas mesmo estando certo;
8- Apesar da Lei da Delegação Trabalhista não prever que se aplica a “culpa en vigilando”, mas, apenas a responsabilidade de entregar o equipamento de treinamento.;
9- Não prever que se aplica a culpa em “culpa en vigilando” ao Empregador mas apenas a responsabilidade de entregar o equipamento de treinar, vale frisar que o Empregador também fica responsável em vigiar;
10- Quando ocorre um acidente além de destruir todo o “bom humor” das relações entre os empregados ou também o gravíssimo problema de se defender de uma série de procedimento ao mesmo tempo, então vale a pena investir nesta prevenção.
Salientamos que o empregado não pode exercer atividades expostos a riscos que possam comprometer sua segurança e saúde.
Sendo assim podem responder nas esferas criminal e civil, aqueles expõem os trabalhadores a tais riscos.

LEI Nº 5.194, DE 24 DEZ 1966 – CONFEA:
“Seção III
Exercício Ilegal da Profissão
Art. 6º – Exerce ilegalmente a profissão de engenheiro, arquiteto ou engenheiro-agrônomo:
a) a pessoa física ou jurídica que realizar atos ou prestar serviços, públicos ou privados, reservados aos profissionais de que trata esta Lei e que não possua registro nos Conselhos Regionais:
b) o profissional que se incumbir de atividades estranhas às atribuições discriminadas em seu registro;
c) o profissional que emprestar seu nome a pessoas, firmas, organizações ou empresas executoras de obras e serviços sem sua real participação nos trabalhos delas;
d) o profissional que, suspenso de seu exercício, continue em atividade;
e) a firma, organização ou sociedade que, na qualidade de pessoa jurídica, exercer atribuições reservadas aos profissionais da Engenharia, da Arquitetura e da Agronomia, com infringência do disposto no parágrafo único do Art. 8º desta Lei.”

Rescue Cursos

Nossos Cursos são completos e dinâmicos

Reproduzir vídeo

Saiba Mais: Curso Osmose Reversa:

A água movimenta-se sempre de um meio hipotônico (menos concentrado em
soluto) para um meio hipertônico (mais concentrado em soluto) com o objetivo de se atingir a mesma concentração em ambos os meios, tornando-os isotônicos, através de uma membrana semipermeável, ou seja, uma membrana cujos poros permitem a passagem de moléculas de água, mas impedem a passagem de outras moléculas.
A Osmose Reversa (R.O) é um processo de separação que usa pressão para forçar uma solução através de uma membrana que retém o soluto em um lado e permite que o solvente passe para o outro lado. Mais formalmente, é o processo de forçar a solução de uma região de alta concentração de soluto através de uma membrana para uma região de baixa concentração de soluto, através da aplicação de uma pressão externa que exceda a pressão osmótica.
As membranas usadas para Osmose Reversa têm uma camada de barreira densa, feita de polímeros, onde a maior parte da separação ocorre. Na maioria dos casos a membrana é projetada para permitir que passe somente água através dessa camada densa, enquanto previne a passagem de solutos (como íons de sal, por exemplo).
Princípio de Funcionamento: Quando duas soluções com concentrações diferentes de soluto são misturadas, o volume total de soluto dessas soluções será distribuído uniformemente no total de solvente. Isso é conhecido como difusão, onde o soluto mover-se-á das áreas de alta concentração para outras áreas de menor concentração até que a concentração em toda a mistura seja uniforme, que é quando a mistura chega ao estado de equilíbrio. Ao invés de misturar as duas soluções juntas, isso pode acontecer colocando-as em dois compartimentos onde elas são separadas uma da outra por uma membrana semipermeável.
A membrana semipermeável não permite que o soluto se mova de um compartimento para o outro, mas permite que o solvente faça isso. Uma vez que o equilíbrio não seja alcançado pelo movimento de soluto do compartimento de alta concentração para o de baixa, ele é conseguido pela movimentação do solvente das áreas de baixa concentração de soluto para áreas de alta concentração de soluto. Quando o solvente move-se para fora das áreas de baixa concentração de soluto, isso faz com que estas áreas tornem-se mais concentradas. Por outro lado, quando o solvente move-se para áreas de alta concentração, a concentração de soluto diminuirá. Este processo é chamado de osmose.
A tendência que o solvente tem de fluir através da membrana semipermeável pode ser expressa como “Pressão Osmótica”. De modo análogo, esse fluxo pode ocorrer causado por uma pressão diferencial. Na Osmose Reversa, em um arranjo similar ao da Osmose, a pressão é aplicada o compartimento com alta concentração. Nesse caso, há duas forças influenciando o movimento da água: a pressão causada pela diferença na concentração de soluto entre os dois compartimentos (a pressão osmótica) e a pressão aplicada externamente.

Curso Osmose Reversa: Consulte-nos.

Atualize seu conhecimento!

Os Melhores Cursos e Treinamentos