Curso Operação de Amônia

      Nenhum comentário em Curso Operação de Amônia

Curso Operação de Amônia

Conteúdo Programático:  Curso Operação de Amônia
Circuito básico de refrigeração
Compressor Alternativo e Parafuso
Condensadores e Evaporadores
Controle de nível magnético (Bóia)
Fluidos frigorígenos
Óleo mineral x óleo sintético
Pressostatos e Termostatos
Refrigeração com compressão de vapor
Reservatório de LíquidoTreinamento Operação de AmôniaSeparador de óleo
Torre de Resfriamento
Amônia Anidra:
Análise de fluxograma
Carga de fluido frigorígeno e óleo
Controlador eletrônico de compressores
O que fazer em caso de vazamento
Paralisações prolongadas da instalação
Preparação do sistema para start-up
Purga de gases incondensáveis e óleo
Superaquecimento x Sub-resfriamento
Teste de vazamento e limpeza do sistema
Separador de óleo
Torre de Resfriamento
Curso Operação de Amônia
Amônia Anidra:
Análise de fluxograma
Carga de fluido frigorígeno e óleo
Controlador eletrônico de compressores
O que fazer em caso de vazamento
Paralisações prolongadas da instalação
Preparação do sistema para start-up
Purga de gases incondensáveis e óleo
Superaquecimento x Sub-resfriamento
Teste de vazamento e limpeza do sistema

Clique no  vídeo e assista Treinamento de Operação com Amônia.

Clique no  vídeo e assista Treinamento de Operação com Amônia.

Referências Normativas: Curso Operação de Amônia
Essas Normas determinam a elaboração de procedimentos para trabalhos em na segurança nas atividades refrigeração industrial amônia.
NBR 16069:2015 Segurança em Sistemas Frigoríficos e suas atualizações.
NBR 11586: 2016 Solução de amônia – Determinação da densidade e do teor de NH3 (amônia) E suas atualizações.
NBR 11330:2014 Solução de amônia – Determinação do teor de resíduos após evaporação e calcinação – Método de ensaio. e suas atualizações.

Nome Técnico do Curso/Treinamento: Segurança na Operação de Amônia

Carga Horária: Curso Operação de Amônia
Capacitação participantes sem experiência  – Carga horária  mínima = 40 horas/aula
Capacitação participantes com experiência – Carga horária  mínima = 16 horas/aula
Atualização (Reciclagem)   – Carga horária  mínima = 08 horas/aula

CERTIFICAÇÃO: Será expedido o Certificado para cada participante que atingir o  aproveitamento mínimo de 70% (teórico e prático) conforme preconiza as Normas Regulamentadoras.

Atualização (Reciclagem): É recomendável anualmente ou se ocorrer evento que indique a necessidade de atualização.

Saiba mais sobre  Curso Operação de Amônia
Norma para Segurança em Sistemas Frigoríficos NR 36
A notícia não é necessariamente recente, mas muitos ainda desconhecem. O Brasil possui, desde 2010, uma norma da ABNT relacionada à segurança e operação em sistemas frigoríficos. Publicada em 20 de abril de 2010, a norma estabelece padrões para a segurança no projeto, construção, instalação e operação de sistemas frigoríficos. Basicamente, essa norma foi influenciada e baseada na norma americana ASHRAE Standard 15:2007.

A NBR 16069:2010 representa um grande avanço na questão da segurança em instalações frigoríficas no país pois padroniza definições e conceitos e traz inúmeras recomendações relacionadas ao tema. O texto da NBR 16069 enaltece a importância do projetista, definindo suas responsabilidades e atribuições como profissional responsável pelo projeto de um novo empreendimento ou reforma, desde sua idealização, desenho, cálculos, definição do fluído, classificação em função da ocupação, construção, passando pela instalação, até a operação do mesmo.
Curso Operação de Amônia
A norma também descreve exigências gerais e específicas para todas as instalações em um frigorífico, destacando a sala de máquinas, e a questão de sistemas de refrigeração por amônia (NH3), gás extremamente tóxico, porém muito utilizado na indústria de refrigeração por ser considerado um refrigerante de alto desempenho e baixo custo relativo.
Inclusive na questão específica dos riscos e cuidados em operações com amônia, a NBR 16069 destaca no tópico 8.11.2.1 a necessidade de instalação de detectores de amônia principalmente nas salas de máquinas, onde o sistema deve ser capaz de acionar automaticamente alarmes sonoros e luminosos caso a concentração do gás atinja níveis de risco, geralmente superiores ao LT estabelecido pela NR 15 do Ministério do Trabalho.
O documento também destaca e define procedimentos a serem adotados em caso de emergências em salas de máquinas, estabelecendo inclusive os limites de alarme dos detectores de amônia e o acionamento automático de sistemas de ventilação, e eventualmente de evacuação da planta.
Ocorrências de vazamentos ou de impactos, até mesmo com vítimas, são relativamente comuns e a norma NBR 16069:2010 existe justamente para impedir essas ocorrências.

Deixe uma resposta