Curso de Bomba Centrífuga

      Nenhum comentário em Curso de Bomba Centrífuga

Conteúdo Programático:  Curso de Bomba Centrífuga , Instalação, Operação e Manutenção:
Além do Curso de Bombas Centrífuga ministramos  também  Curso de Bomba de Diafragma, Curso de Bomba de Engrenagem, Curso de Bomba de Lóbulo, Curso de Bomba de Palheta, Curso de Bomba de Parafuso ou Fusos, Curso de Bomba de Pistão, Curso de Bomba Helicoidal, Curso de Bomba de Ar  compressores, Curso de Bomba de deslocamento positivo, Curso de Bomba Compressor de Ar de Parafuso.

Treinamento Bomba Centrífuga

Curso de Bomba Centrífuga

Curso de Bomba Centrífuga – I
Definição e classificação de bombas
Tipos e Classificação das bombas
Turbo bomba ou bomba dinâmica (centrífuga)
Bomba centrífuga radial
Bomba centrífuga de fluxo misto ou helicocentrífuga
Bomba centrífuga de fluxo axial ou helicoaxial
Bombas volumétricas, Bomba alternativa, Bomba rotativa
Escolha da bomba
Bombas centrífugas radiais, Bombas centrífugas, Bomba centrífuga radial
Classificação das bombas centrífugas radiais
Componentes da bomba centrífuga de simples estágio
Bomba centrífuga de simples estágio: componentes
Rotor, Eixo
Sistemas de vedação, Vedação por gaxeta, Vedação por selo mecânico
Mancal de rolamento, Mancal de deslizamento
Lubrificação do mancal, Suporte do mancal
Anéis de desgaste, Acoplamentos
Perda de carga (ΔP)
Curso de Bomba Centrífuga – II
Dimensionamento da tubulação, Vazão e velocidade
Cálculo da perda de carga (ΔP), Fator de fricção (f )
Comprimento equivalente (LEQU)
Altura total do sistema hidráulico, Altura do sistema
Elementos básicos de um sistema hidráulico, Altura geométrica de sucção (Hgeos)
Altura geométrica de descarga (Hgeod), Altura geométrica do sistema (Hgeo)
Altura de sucção (HS), Altura de descarga (HD), Altura total do sistema (H)
Curvas características das bombas, Curva da vazão (Q) em relação à altura manométrica (H)
Curva da potência consumida  pela bomba (PC), Potência hidráulica (PH)
Rendimento da bomba, Curva de rendimento
Curva NPSH, Exemplo de utilização das curvas
Fatores que modificam as características das bombas
Cavitação e NPSH, Evitando a cavitação
NPSH real ou requerido, NPSH disponível
Fatores que modificam o NPSHD
Localização do tanque de sucção e o NPSHD, Cálculo do NPSHD
Curso de Bomba Centrífuga – III
Instalação da bomba, Recebimento da bomba
Armazenagem, Localização da bomba
Fixação, Alinhamento inicial, Alinhamento final
Tubulações, Cuidados na instalação da tubulação
Válvulas de bloqueio, Válvulas de retenção, Válvulas de controle
Detalhes específicos das bombas, Escorva, Instalação elétrica
Operação, Manutenção preventiva, Registro da manutenção, Segurança da manutenção
Informações da placa de identificação da bomba, Rotinas de manutenção
Inspeções de rotina, mensais, trimestrais, anuais
Curso de Bomba Centrífuga – IV
Manutenção de mancais lubrificados com óleo
Manutenção de mancais lubrificados com graxa
Procedimentos para reengraxar
Caixa de gaxetas, Instruções de instalação de gaxetas
Processos de escorvamento de bombas
Escorva de bomba submersa, Escorva com bomba de vácuo
Escorva com válvula de pé, Vazão de água
Equipamento de Proteção Individual, Prevenção de Acidentes e `Primeiros Socorros
Referencias Normativas:  NR 06, NR 10, NR 33, NR 18

Carga Horária: Curso de Bomba Centrífuga
Capacitação  Carga horária  mínima = 16  horas/aula a 08 horas/aula (depende da complexidade do equipamento)
Atualização (Reciclagem)   – Carga horária  mínima = 08 horas/aula

CERTIFICAÇÃO: Será expedido o Certificado para cada participante que atingir o aproveitamento mínimo de 70% (teórico e prático) conforme preconiza as Normas Regulamentadoras.

Atualização (Reciclagem): É recomendável anualmente ou se ocorrer evento que indique a necessidade de atualização.

Saiba Mais sobre o Curso de Bomba Centrífuga:  Operação
Os tópicos a seguir resumem as providências necessárias a serem observadas quando da primeira partida do conjunto bomba e motor elétrico. De maneira geral, são providências comuns a todas as bombas, mas o importante é que sejam seguidas as recomendações para a operação de partida da bomba no manual técnico do fabricante:
Cuidados com a primeira partida do conjunto bomba e motor elétrico:
• verificar a fixação da bomba e do seu acionador firmemente à base;
• verificar a fixação das tubulações de sucção e recalque da bomba;
• revisar as conexões elétricas, verificando se todos os sistemas de proteção do motor encontram-se corretamente ajustados e funcionando em segurança;
• executar as emendas das conexões elétricas de bombas submersas dos cabos
com segurança, da maneira prevista nos manuais do fabricante;
• examinar o mancal quanto à limpeza e penetração de umidade. Todas as bombas lubrificadas a óleo devem receber a quantidade de lubrificante recomendada pelo fabricante.
Curso de Bomba Centrífuga: Todas as bombas saem da fábrica sem óleo.
• verificar o sentido de rotação do motor elétrico, fazendo-o com a bomba desacoplada;
• certificar-se manualmente de que o conjunto girante roda livremente. Se for necessário um esforço maior, caso de bombas com mancais de deslize, gaxetas que estejam prendendo, etc., usar chave corrente ou grifo, com o eixo devidamente protegido para evitar danos. O esforço maior será necessário somente no início;
• certificar-se de que o alinhamento do acoplamento foi realizado conforme já explicado. Quando a temperatura do líquido bombeado for superior a 120ºC,  o alinhamento do  acoplamento deverá ser realizado à temperatura de operação ou adotar providências equivalentes.
(Fonte: Bombas Guia Básico Procel Industria)