Teste de Pressão Dinâmica e Estática Bomba de Incêndio NFPA 20 e 25

Teste de Pressão Dinâmica e Estática Bomba de Incêndio NFPA 20 e 25

Nome Técnico: Teste de Pressão Dinâmica e Estática Bomba de Incêndio NFPA 20 e 25 – Teste de Pitot.

Cód: 24630

O Teste de Pressão Dinâmica e Estática Bomba de Incêndio NFPA 20 e 25 visa verificar se as instalações estão de acordo com as regulamentações do Corpo de Bombeiros, e se estão de acordo com as informações estabelecidas na NFPA 20.

A NFPA 20, Norma para Instalação de Bombas Estacionárias de Proteção Contra Incêndio ( Standard for the Installation of Stationary Pumps for Fire Protection), se trata de um documento técnico totalmente voltado ao sistema de Bombas de incêndio, utilizado como base para a Inspeção.

O que são PlayPipes?
Trata-se de um componente utilizado para projetar jatos de água com alta pressão a grandes distâncias através da conexão com o Sistema de Incêndio.

Importante: Conforme NFPA 25,  é necessário a realização do Teste de Vazão de Bomba de Incêndio.
Recomenda-se que a periodicidade dos testes para as bombas de incêndio com motor movido a diesel seja semanal, enquanto que a frequência dos testes para aquelas movidas por motor elétrico deve ser mensal.
O teste periódico da bomba de incêndio é parte dos procedimentos gerais de manutenção preventiva do equipamento e não substitui o teste anual que visa medir o desempenho da vazão e da pressão comparado com a especificação do fabricante (curva da bomba).

 

Escopo do Serviço:

Teste de Pressão Dinâmica e Estática Bomba de Incêndio NFPA 20 e 25

Verificação do medidor de vazão;
Verificações de reduções;
Verificações de flanges;
Verificações de juntas;
Analise das Curvas da Bomba;
Teste da Bomba a uma faixa de operação de 150% da sua vazão nominal;
Estanqueidade da rede de hidrantes;
Descrição da aparelhagem utilizada;
Descrição dos pontos avaliados;
Condições operacionais das bombas;
Registro fotográfico;
Conclusão do PLH;
Emissão da ART (Anotação de Responsabilidade Técnica).

Referências Normativas aos dispositivos aplicáveis e suas atualizações:
NFPA 20 – Standard for the Installation of Stationary Pumps for Fire Protection;

NFPA 25 – Standard for the Inspection, Testing, and Maintenance of Water-Based Fire Protection Systems ( Inspeção, Teste e Manutenção);
NR-23 – Proteção Contra Incêndios;
ABNT NBR 13714 – Sistemas de hidrantes e de mangotinhos para combate a incêndio;
ABNT NBR 16021 – Válvula e acessórios para hidrante — Requisitos e métodos de ensaio;
ABNT NBR ISO 3966 – Medição de Vazão em Condutos Fachados – Método Velocimétrico utilizando tubos de Pitot estático;
Norma Técnica Sabesp NTS 280.

Teste de Pressão Dinâmica e Estática Bomba de Incêndio NFPA 20 e 25

Validade dos Testes: ANUAL exceto se ocorrer quaisquer das seguintes situações:
a) mudança nos procedimentos, finalidades, condições ou operações de trabalho;
b) evento que indique a necessidade de nova Inspeção;
c) mudança de empresa;
Será emitido Laudo Técnico por Profissionais Legalmente Habilitados Perito e Engenheiro de Segurança do Trabalho com ART;
Os Equipamentos utilizados possuem Atestado de Aferição vigente e demais equipamentos são analógicos.

Causas do Acidente Trabalho:
Falta de cuidados do empregado;
Falta de alerta do empregador;
Mesmo efetuando todos os Treinamentos e Laudos obrigatórios de Segurança e Saúde do Trabalho em caso de acidente de trabalho o empregador estará sujeito a Processos tipo:
1- Inquérito Policial – Polícia Civil;
2- Perícia através Instituto Criminalista;
3- Procedimento de Apuração junto Delegacia Regional do Trabalho;
4- Inquérito Civil Público perante o Ministério Público do trabalho para verificação se os demais trabalhadores não estão correndo perigo;
5- O INSS questionará a causa do acidente que poderia ser evitado e se negar a efetuar o pagamento do benefício ao empregado;
6- Familiares poderão ingressar com Processo na Justiça do Trabalho pleiteando danos Morais, Materiais, Luxação, etc.;
7- Tsunami Processuais obrigando o Empregador a gerar Estratégia de Defesas mesmo estando certo;
8- Apesar da Lei da Delegação Trabalhista não prever que se aplica a culpa em cooper vigilando mas apenas a responsabilidade de entregar o equipamento de treinamento (responsável em vigiar e na tem que realmente vigiar;
9- Não prever que se aplica a culpa em cooper vigilando ao Empregador mas apenas a responsabilidade de entregar o equipamento de treinar vale frisar que o Empregador também fica responsável em vigiar);
10- Quando ocorre um acidente além de destruir todo o “bom humor” das relações entre os empregados ou também o gravíssimo problema de se defender de uma série de procedimento ao mesmo tempo, então vale a pena investir nesta prevenção.
Salientamos que o empregado não pode exercer atividades expostos a riscos que possam comprometer sua segurança e saúde.
Sendo assim podem responder nas esferas criminal e civil, aqueles expõem os trabalhadores a tais riscos.

Rescue Cursos

Laudos, Perícias Programas, ART's e muito mais!

Reproduzir vídeo

Saiba Mais: Teste de Pressão Dinâmica e Estática Bomba de Incêndio NFPA 20 e 25:

Teste Mensal de Rotatividade de Bombas de Incêndio – No Flow:
A NFPA 25 requer que bombas de incêndio movidas a motor elétrico sejam operadas mensalmente.
O Teste CHURN (teste de funcionamento/operação da bomba de incêndio sem o fluxo de água) Deve ser mensal e requer que as bombas elétricas sejam testadas da seguinte forma:
Ligue a bomba por um mínimo de 10 minutos;
Registre as leituras do medidor de pressão de sucção e descarga do sistema;
Verifique as juntas de vedação da bomba quanto a uma leve descarga;
Ajuste as porcas das glândulas; se necessário;
Verifique se há ruído ou vibração incomum;
Verifique as caixas de embalagem, rolamentos ou o corpo da bomba quanto a superaquecimento;
Registre a pressão inicial da bomba;
Interpretar resultados.
Teste Anual de Fluxo da Bomba de Incêndio:
O teste de fluxo da bomba de incêndio é exigido pela NFPA 25 para ser realizado uma vez por ano, a fim de medir o fluxo e a pressão da bomba. O teste deve ser realizado fixando as mangueiras no cabeçalho do teste de descarga. As mangueiras são executadas para um local seguro, onde o fluxo de água não causará danos. As leituras de pressão são tomadas à medida que a bomba é executada em seus vários estágios. No aspersor de incêndio da Capitol, os resultados são registrados e plotados em um gráfico pelo nosso departamento de engenharia. Estes resultados de testes são comparados com as especificações de fábrica e os resultados de testes de anos anteriores. Se houver uma redução significativa no desempenho da bomba, é necessário realizar um exame mais aprofundado para fazer os reparos necessários.
Noções sobre Bombas Hidráulicas:
Bombas são equipamentos mecânicos utilizados para o transporte de líquidos através de tubulações. Recebem energia de equipamentos acionadores (motores elétricos, turbinas a gás ou a vapor, motores de combustão interna) e a transferem para o líquido que está sendo bombeado, sob a forma de energia de pressão, cinética ou ambas.
Classificação das Bombas:
As bombas podem ser classificadas de diversas formas, como segundo sua aplicação ou pela forma com que a energia é cedida ao fluido.
Bombas de Deslocamento Positivo:
Bombas de deslocamento positivo, ou bombas volumétricas, são bombas onde a energia é fornecida ao líquido já sob a forma de pressão. Nelas, o líquido descreve uma trajetória onde, sucessivamente, enche e depois é expulso de espaços com volumes pré-determinados no interior da bomba.
Bombas Dinâmicas:
Bombas Cinéticas ou dinâmicas, são bombas nas quais a movimentação do fluido é realizada mediante a rotação de um impelidor. As bombas dinâmicas podem ser classificadas como: Bombas Centrífugas, de fluxo misto, axiais ou regenerativas. As bombas centrífugas podem, ainda, ter duas diferentes classificações de acordo com a geometria do impelidor, podendo ser centrífugas radiais ou centrífugas tipo francis.
Bombas Centrífugas:
São o tipo mais comum de bombas dinâmicas. A bomba centrífuga é definida como um dispositivo mecânico que usa a força centrífuga e um elemento difusor para transformar energia cinética em energia de pressão (altura manométrica).
Existem diversas formas de se classificar os diferentes tipos de bombas centrífugas existentes no mercado. Segundo a norma API 610 [6], podemos classificar as bombas centrífugas em 3 diferentes grupos: Overhung (OH), Between Bearings (BB)e Vertically Suspended (VS).
Bombas Overhung (OH):
Bombas OH são bombas que possuem o impelidor em balanço, ou seja, o rotor dessas bombas é montado na extremidade posterior do eixo de acionamento, sendo fixado em balanço, por um suporte de mancais.
Bombas Between Bearings (BB):
Bombas BB são bombas onde o rotor está posicionado entre os mancais, ou seja, o rotor ou rotores da bomba são montados em um eixo que é apoiado por mancais em ambas as extremidades do equipamento, situando-se entre eles.
Bombas Vertically Suspended (VS):
Bombas VS são bombas verticais, ou seja, o rotor ou rotores dessas bombas são acoplados a um eixo, tendo este eixo posição vertical em relação ao solo.

Saiba Mais: Teste de Pressão Dinâmica e Estática Bomba de Incêndio NFPA 20 e 25: Consulte-nos.

Teste de Pressão Dinâmica e Estática Bomba de Incêndio NFPA 20 e 25,

Atualize seu conhecimento!

Os Melhores Cursos e Treinamentos