Projeto de Para-raios

A instalação do SPDA (Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas) é uma exigência do Corpo de Bombeiros, regulamentada pela ABNT segundo a NBR 5419/2015 e tem como objetivo evitar ou, no mínimo, diminuir o impacto e consequências das descargas atmosféricas que podem ocasionar incêndios, explosões, danos matérias ou até risco de morte à pessoas e animais.
Projeto de Para-raios:
As exigências do uso do SPDA pelo Corpo de Bombeiros são em edificação, estabelecimentos industrias ou comercias com mais de 1.500 m2 de área construída, em edificação com mais de 30 metros de altura, em áreas destinadas a depósitos de explosivos e inflamáveis, e em outras edificações a critério do Corpo de Bombeiros, quando a periculosidade se justificar e devem obedecer a critérios de confiabilidade e de segurança.

O que é SPDA: É o Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas ou, popularmente conhecido como “para-raios”.

Projetos de Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas
Projeto de Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas – SPDA

Escopo: Projeto de Para-raios
Projeto de Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas – SPDA.
Avaliação das necessidades do cliente;
Avaliação da necessidade de SPDA;
Apresentar estrutura da nova norma 5419/15;
Como fazer as medições necessárias para atender a norma;
Análise do afastamento do SPDA das demais instalações e massas metálicas;
Dimensionamento do aterramento para dispersão da descarga atmosférica no solo;
Formação das Descargas Atmosféricas;
Métodos de captação do raio;
Condução do raio até o solo com segurança;
Responsabilidade técnica ATR conforme NR 10, item 10.2.7;
Elaboração do prontuário de instalações elétricas conforme NR 10, itens 10.2.4 e 10.2.5;
Atestado de conformidade das instalações elétricas;
Projeto e Laudo do SPDA (Sistema de Proteção contra Descargas Elétrica);
Emissão da ART.

Saiba mais sobre Projeto de Para-raios.
Atualmente existem três métodos de SPDA / Para-raios, são eles:1) Franklin: Devido às suas limitações impostas pela Norma passa a ser cada vez menos usado em edifícios sendo ideal para edificações de pequeno porte. Segundo a norma vigente, os para-raios do tipo Franklin são instalados para proteger o volume de um cone, onde o captor fica no vértice e ângulo entre a geratriz e o centro do cone, variando de acordo com o nível de proteção e a altura da edificação (NBR 5419/2015). 2) Gaiola de Faraday: Consiste em instalar um sistema de captores formado por condutores horizontais interligados em forma de malha, método muito utilizado na Europa. É baseado na teoria de Faraday, segundo a qual, o campo no interior de uma gaiola é nulo, mesmo quando passa por seus condutores uma corrente de valor elevado, para isto, é necessário que a corrente se distribua uniformemente por toda a superfície.
Projeto de Para-raios:

Quanto menor for a distância entre os condutores da malha, melhor será a proteção obtida (NBR 5419/2015). 3) Esfera Rolante, Eletrogeométrico ou Esfera Fictícia: É o mais recente dos três acima mencionados e consiste em fazer rolar uma esfera, por toda a edificação. Esta esfera terá um raio definido em função do Nível de Proteção, os locais onde a esfera tocar a edificação são os locais mais expostos a descargas. Resumindo poderemos dizer que os locais onde a esfera toca, o raio também pode tocar, devendo estes serem protegidos por elementos metálicos (captores Franklin ou condutores metálicos).
Projeto de Para-raios:

A primeira função do SPDA é neutralizar, pelo poder de atração das pontas, o crescimento do gradiente de potencial elétrico entre o solo e as nuvens, através do permanente escoamento de cargas elétricas do meio ambiente para a terra e a segunda função é oferecer à descarga elétrica que for cair em suas proximidades um caminho preferencial, reduzindo os riscos de sua incidência sobre as estruturas. A instalação de um sistema de proteção contra descargas atmosféricas não impede a ocorrência de raios. Nem tão pouco atrai raios. É preferível não ter “para-raios” algum do que ter um “para-raios” mal instalado. Um “para-raios” corretamente instalado reduz significativamente os perigos e os riscos de danos, pois captará os raios que iriam cair nas proximidades de sua instalação.
Projeto de Para-raios:

Para elaborar um SPDA, além de observar nas normas técnicas como a ABNT 5419 (referente a proteção de estruturas), ABNT 5410 (referente a instalação de baixa tensão) e as prescrições da norma NR-10.

Projeto de Para-raios:
Projeto de Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas – SPDA: Consulte-nos.