Laudo de Avaliação Sonora em áreas habitadas

Nome Técnico:

Laudo de Avaliação Sonora em áreas habitadas

Laudo de Avaliação Sonora em áreas habitadas

A elaboração de Laudo de Avaliação Sonora em áreas habitadas visa atender às necessidades das exigências e parâmetros conforme Resolução CONAMA nº 01/1990, que consiste na elaboração de avaliação quantitativa do ruído afim verificar se pode influenciar os arredores (vizinhança) em conformidade com Sistemas de Gestão Integrada ISO 9001 e ISO 14001:

Atendendo a legislação aplicável e os requisitos das normas aplicáveis ao seu Sistema de Gestão Integrada visto que a emissão de ruídos pode gerar poluição sonora cabe ao empregador monitorar, medir, analisar e avaliar seu desempenho ambiental, conforme ABNT NBR ISSO 14001:2015, no item 9 (Avaliação de Desempenho). Desse modo atender a Certificação Ambiental. 

Laudo de Avaliação Sonora em áreas habitadas:
Avaliação do ruído em áreas habitadas, visa o conforto da comunidade. Atendendo: à Resolução CONAMA nº 01/1990; Utilizando como base: as normas ABNT-NBR 10151/1990 e ABNT-NBR 10152/2017; Com instrumentos de medição TIPO 1, calibrados de acordo com as normas IEC 61672, IEC 61260, IEC 60952 E IEC 60942.

Escopo da Inspeção:  
Laudo de Avaliação Sonora em áreas habitadas: 
O Laudo segue  a Resolução CONAMA n.º 001 de 08 de março de 1990, que instituiu as normas técnicas estabelecidas pela
NBR 10.151 – Avaliação do ruído em áreas habitadas visando o conforto da comunidade e;
NBR 10.152 – Níveis de ruído para conforto acústico, ambas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT):
Os equipamentos utilizados são devidamente calibrados e com certificado de calibração válido emitido por laboratório certificado pela Rede Brasileira de Calibração (RBC) ou INMETRO. 
Será evitado interferência, nas medições realizadas, de sons não desejados como ventos no microfone ou corrente elétrica. 
Conclusão: Laudo de Avaliação Sonora em áreas habitadas:
Ao final da medição, será emitido relatório de ensaio conforme item 7 da ABNT NBR 10151, o qual constará parecer conclusivo, definindo se os pontos estão dentro nos níveis de aceitabilidade para conforto acústico, e principalmente, propor medidas de redução caso sejam necessárias;
Emissão da ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) emitida por PLH.

Cabe a Contratante:  
Proporcionar à Contratada todas as informações necessárias ao pleno cumprimento das obrigações decorrentes do objeto contratual, tais como o fornecimento dos projetos, especificações técnicas e informações necessárias para realização dos serviços;

Cabe a Contratada:
Executar o serviço conforme estipulado de acordo com as normas técnicas aplicáveis, normas de segurança e legislação vigente.
Executar os serviços solicitados dentro do prazo estipulado. 
Comunicar a Contratante quando finalizar o serviço. 

Validade do Laudo de Avaliação Sonora em áreas habitadas

É recomendável periodicidade anual ou se ocorrer evento que indique a necessidade de atualização do Laudo.

Referências Normativas aos dispositivos aplicáveis:

Laudo de Avaliação Sonora em áreas habitadas:RESOLUÇÃO CONAMA nº 1, de 8 de março de 1990 Publicada no DOU nº 63, de 2 de abril de 1990, Seção 1, página 6408 Dispõe sobre critérios de padrões de emissão de ruídos decorrentes de quaisquer atividades industriais, comerciais, sociais ou recreativas, inclusive as de propaganda política. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA, no uso das atribuições que lhe confere o Inciso I, do § 2o , do art 8o do seu Regimento Interno, o art. 10 da Lei no 7.804, de I5 de julho de 1989 e Considerando que os problemas dos níveis excessivos de ruído estão incluídos entre os sujeitos ao Controle da Poluição de Meio Ambiente; Considerando que a deterioração da qualidade de vida, causada pela poluição, está sendo continuamente agravada nos grandes centros urbanos; Considerando que os critérios e padrões deverão ser abrangentes e de forma a permitir fácil aplicação em todo o Território Nacional, resolve: I – A emissão de ruídos, em decorrência de quaisquer atividades industriais, comerciais, sociais ou recreativas, inclusive as de propaganda política, obedecerá, no interesse da saúde, do sossego público, aos padrões, critérios e diretrizes estabelecidos nesta Resolução. II – São prejudiciais à saúde e ao sossego público, para os fi ns do item anterior, os ruídos com níveis superiores aos considerados aceitáveis pela Norma NBR-10.15179 – Avaliação do Ruído em Áreas Habitadas visando o conforto da comunidade, da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. III – Na execução dos projetos de construção ou de reformas de edifi cações para atividades heterogêneas, o nível de som produzido por uma delas não poderá ultrapassar os níveis estabelecidos pela NBR-10.152 – Níveis de Ruído para conforto acústico80, da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. IV – A emissão de ruídos produzidos por veículos automotores e os produzidos no interior dos ambientes de trabalho obedecerão às normas expedidas, respectivamente, pelo Conselho Nacional de Trânsito – CONTRAN e pelo órgão competente do Ministério do Trabalho. V – As entidades e órgãos públicos (federais, estaduais e municipais) competentes, no uso do respectivo poder de polícia, disporão de acordo com o estabelecido nesta Resolução, sobre a emissão ou proibição da emissão de ruídos produzidos por qualquer meio ou de qualquer espécie, considerando sempre os locais, horários e a natureza das atividades emissoras, com vistas a compatibilizar o exercício das atividades com a preservação da saúde e do sossego público. VI – Para os efeitos desta Resolução, as medições deverão ser efetuadas de acordo com a NBR-10.151 – Avaliação do Ruído em Áreas Habitadas visando o conforto da comunidade, da ABNT. VII – Todas as normas reguladoras da poluição sonora, emitidas a partir da presente data, deverão ser compatibilizadas com a presente Resolução. VIII – Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. FERNANDO CÉSAR DE MOREIRA MESQUITA – Presidente do Conselho em Exercício JOSÉ CARLOS CARVALHO – Secretário-Executivo em Exercício

Laudo de Avaliação Sonora em áreas habitadas:NBR 10.151
As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usarem as edições mais recentes das normas citadas a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento. IEC-60651:1979 – Sound level meters 2 NBR 10151:2000 IEC-60804:1985 – Integrated averaging sound level meters IEC-60942:1988 – Sound calibrators 3 Definições Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as seguintes definições: 3.1 nível de pressão sonora equivalente (LAeq), em decibels ponderados em “A” [dB (A)]: Nível obtido a partir do valor médio quadrático da pressão sonora (com a ponderação A) referente a todo o intervalo de medição. 3.2 ruído com caráter impulsivo: Ruído que contém impulsos, que são picos de energia acústica com duração menor do que 1 s e que se repetem a intervalos maiores do que 1 s (por exemplo martelagens, bate-estacas, tiros e explosões). 3.3 ruído com componentes tonais: Ruído que contém tons puros, como o som de apitos ou zumbidos. 3.4 nível de ruído ambiente (Lra): Nível de pressão sonora equivalente ponderado em “A”, no local e horário considerados, na ausência do ruído gerado pela fonte sonora em questão. 4 Equipamentos de medição 4.1 Medidor de nível de pressão sonora O medidor de nível de pressão sonora ou o sistema de medição deve atender às especificações da IEC 60651 para tipo 0, tipo 1 ou tipo 2. Recomenda-se que o equipamento possua recursos para medição de nível de pressão sonora equivalente ponderado em “A” (LAeq), conforme a IEC 60804. 4.2 Calibrador acústico O calibrador acústico deve atender às especificações da IEC 60942, devendo ser classe 2, ou melhor. 4.3 Calibração e ajuste dos instrumentos O medidor de nível de pressão sonora e o calibrador acústico devem ter certificado de calibração da Rede Brasileira de Calibração (RBC) ou do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO), renovado no mí- nimo a cada dois anos. Uma verificação e eventual ajuste do medidor de nível de pressão sonora ou do sistema de medição deve ser realizada pelo operador do equipamento, com o calibrador acústico, imediatamente antes e após cada medição, ou conjunto de medições relativas ao mesmo evento. 5 Procedimentos de medição 5.1 Condições gerais No levantamento de níveis de ruído deve-se medir externamente aos limites da propriedade que contém a fonte, de acordo com 5.2.1. Na ocorrência de reclamações, as medições devem ser efetuadas nas condições e locais indicados pelo reclamante, de acordo com 5.2.2 e 5.3, devendo ser atendidas as demais condições gerais. Em alguns casos, para se obter uma melhor avaliação do incômodo à comunidade, são necessárias correções nos valores medidos dos níveis de pressão sonora, se o ruído apresentar características especiais. A aplicação dessas correções, conforme 5.4, fornece o nível de pressão sonora corrigido ou simplesmente nível corrigido (Lc). Todos os valores medidos do nível de pressão sonora devem ser aproximados ao valor inteiro mais próximo. Não devem ser efetuadas medições na existência de interferências audíveis advindas de fenômenos da natureza (por exemplo: trovões, chuvas fortes etc.). O tempo de medição deve ser escolhido de forma a permitir a caracterização do ruído em questão. A medição pode envolver uma única amostra ou uma seqüência delas. 5.2 Medições no exterior de edificações Deve-se prevenir o efeito de ventos sobre o microfone com o uso de protetor, conforme instruções do fabricante. 5.2.1 No exterior das edificações que contêm a fonte, as medições devem ser efetuadas em pontos afastados aproximadamente 1,2 m do piso e pelo menos 2 m do limite da propriedade e de quaisquer outras superfícies refletoras, como muros, paredes etc. Na impossibilidade de atender alguma destas recomendações, a descrição da situação medida deve constar no relatório. 5.2.2 No exterior da habitação do reclamante, as medições devem ser efetuadas em pontos afastados aproximadamente 1,2 m do piso e pelo menos 2 m de quaisquer outras superfícies refletoras, como muros, paredes etc. Caso o reclamante indique algum ponto de medição que não atenda as condições de 5.2.1 e 5.2.2, o valor medido neste ponto também deve constar no relatório. 5.3 Medições no interior de edificações As medições em ambientes internos devem ser efetuadas a uma distância de no mínimo 1 m de quaisquer superfícies, como paredes, teto, pisos e móveis. NBR 10151:2000 3 Os níveis de pressão sonora em interiores devem ser o resultado da média aritmética dos valores medidos em pelo menos três posições distintas, sempre que possível afastadas entre si em pelo menos 0,5 m. Caso o reclamante indique algum ponto de medição que não atenda as condições acima, o valor medido neste ponto também deve constar no relatório. As medições devem ser efetuadas nas condições de utilização normal do ambiente, isto é, com as janelas abertas ou fechadas de acordo com a indicação do reclamante. 5.4 Correções para ruídos com características especiais 5.4.1 O nível corrigido Lc para ruído sem caráter impulsivo e sem componentes tonais é determinado pelo nível de pressão sonora equivalente, LAeq. Caso o equipamento não execute medição automática do LAeq, deve ser utilizado o procedimento contido no anexo A. 5.4.2 O nível corrigido Lc para ruído com características impulsivas ou de impacto é determinado pelo valor máximo medido com o medidor de nível de pressão sonora ajustado para resposta rápida (fast), acrescido de 5 dB(A). NOTA – Quando forem publicadas Normas Brasileiras para avaliação do incômodo devido ao ruído impulsivo, estas deverão ser aplicadas. 5.4.3 O nível corrigido Lc para ruído com componentes tonais é determinado pelo LAeq acrescido de 5 dB(A). 5.4.4 O nível corrigido Lc para ruído que apresente simultaneamente características impulsivas e componentes tonais deve ser determinado aplicando-se os procedimentos de 5.4.2 e 5.4.3, tomando-se como resultado o maior valor

Laudo de Avaliação Sonora em áreas habitadas:NBR 10.152
Esta Norma fixa os níveis de ruído compatíveis com o conforto acústico em ambientes diversos. Notas: a) As questões relativas a riscos de dano à saúde em decorrência do ruído são estudadas em normas específicas. b) A aplicação desta Norma não exclui as recomendações básicas referentes às demais condições de conforto. 2 Documentos complementares Na aplicação desta Norma é necessário consultar: NBR 10151 – Avaliação de ruído em áreas habitadas, visando ao conforto da comunidade – Procedimento IEC 225 – Octave, half-octave and third-octave band filters intended for the analysis of sound and vibrations IEC 651 – Sound level meters 3 Definições Para os efeitos desta Norma são adotadas as definições de 3.1 a 3.4. 3.1 Pressão sonora ponderada A, em pascals (PA) Valor eficaz (RMS) da pressão sonora determinada pelo uso do circuito ponderado A, conforme a IEC 651.