Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Treinamento Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Reciclagem Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Certificado de Treinamento Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, O Que É Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Como Fazer Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Pra Que Serve Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Aonde Fazer Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Porque Fazer Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Quando Fazer Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Quanto Custa Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Apostila de Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Qual objetivo Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Tratado de Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Guia de Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Manual de Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Livro de Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Compêndio de Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Lição de Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Workshop de Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Universidade de Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Faculdade de Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Formação de Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis, Aula de Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis,

Treinamento de Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis

Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis

Nome Técnico: Curso Capacitação de Prevenção de Riscos em Equipamentos Móveis

Cód: 1394

Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis
No Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis o profissional deverá reconhecer e controlar os riscos associados à área de movimentação com equipamentos móveis;
Desenvolver a percepção do risco associado à condução de equipamentos móveis e às atividades executadas em equipamentos móveis;
Compreender a importância da inspeção e utilização dos respectivos equipamentos de proteção individual (EPIs) e equipamentos de proteção coletiva (EPCs);
Executar atividades considerando procedimentos e práticas específicas de segurança que envolvam equipamentos móveis; aplicar os conceitos, requisitos e procedimentos de segurança com equipamentos móveis; aperfeiçoar as práticas de segurança dos profissionais em atividades realizadas com equipamentos móveis.

São exemplos de equipamentos móveis:
Moto nivelador, trator-escrêiper, retroescavadeira, escavadeira, pá carregadeira, trator, empilhadeira de garfo manipulador de pneus, caminhão fora de estrada e outros caminhões, etc.

Escolha Seu Plano

100% Presencial

16 Horas - Com Experiência

Nossa Sede ou In Company DDD 11

Outros Locais Consultar

R$ 
Consultar

Por Pessoa/Turma (PagSeguro)

Semipresencial/Reciclagem

08hs EAD / 08hs Presenciais

Nossa Sede ou In Company DDD 11

Outros Locais Consultar

R$ 
Consultar

Por Pessoa/Turma (PagSeguro)

EAD (Ensino a Distância)

40 Horas - Com Experiência

Totalmente Online

Imperdível!

R$ 
Consultar

Por Pessoa/Turma (PagSeguro)

Preços Especiais

para Empresas/Turmas

Consulte

Conteúdo Programático

Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis;
Conceitos gerais de equipamentos móveis;
Tipos de equipamentos móveis;
Trator;
Escavadeira;
Pá carregadeira;
Caminhões fora de estrada;
Moto niveladora;
Motoescreiper;
Retro escavadeira;
Caminhão Brooks/caçamba;
Conceitos e práticas sobre equipamentos de segurança;
Tipos de equipamento de segurança;
EPI e – EPC;
Funcionamento de equipamentos de segurança;
Inspeção dos equipamentos e itens de segurança;
Checklist de pré-operação;
Regras de condução, circulação e sinalização;
Reconhecimento e controle dos riscos associados;
Tipos de risco;
Velocidade;
Condições da pista;
Condições do ambiente;
Condições do veículo
Medidas de controle;
Tipos de recursos utilizados;
Tipos de veículos utilizados;
Responsabilidades para a liberação;
Responsáveis pela liberação;
Procedimentos de liberação;
Permissão para realização da atividade;
Solução educacional:
Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis
;
Treinamento teórico-prático realizado em salas de treinamento, e treinamento assistido realizado com apoio do instrutor na própria área de operação;
O treinamento teórico-prático possui foco no desenvolvimento da percepção de riscos, nas práticas de saúde e segurança e na prevenção de acidentes por meio da apresentação de conceitos, procedimentos e recursos utilizados com cada tipo de equipamento móvel;
As estratégias para apresentação do conteúdo são orientadas por meio: da exposição de casos de risco para análise e avaliação dos empregados; do manuseio de equipamentos de proteção; da análise de fotos, ilustrações e vídeos, apontando acertos e erros de conduta segura relacionados à condução de equipamentos móveis, da realização de exercícios de fixação;
O fechamento do treinamento ocorrerá com a realização de uma avaliação de aprendizagem. Treinamento assistido O foco do treinamento assistido é observar a execução de procedimentos de segurança realizados por profissionais em serviço, de acordo com cada equipamento conduzido em sua área de operação;
O instrutor verificará se a percepção do risco e a prática dos cuidados estão sendo aplicadas corretamente pelo empregado;
Durante a observação, o instrutor irá avaliar o empregado, realizando anotações e emitindo parecer e nota sobre a prática do empregado no formulário de avaliação prática;
Complementos:
Prevenção de acidentes;
Procedimentos e noções de primeiros socorros;
Exercícios práticos;
Percepção dos riscos e fatores que afetam as percepções das pessoas;
Impacto e fatores comportamentais na segurança;
Fator medo;
Consequências da Habituação do risco;
A importância do conhecimento da tarefa;
Entendimentos sobre Ergonomia;
Análise de posto de trabalho;
Riscos ergonômicos;
Avaliação Teórica e Prática;
Certificado de Participação;

Referências Normativas aos dispositivos aplicáveis e suas atualizações:
NR – 06 – Equipamento de Proteção Individual – EPI;
NR – 11 – Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais;
NR – 12 – Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos;
NR – 22 – Segurança e Saúde Ocupacional na Mineração;
NR – 18 – Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção;
ABNT NBR ISO 13855 – Segurança de máquinas — Posicionamento dos equipamentos de proteção com referência à aproximação de partes do corpo humano;
ABNT NBR 13759 – Segurança de máquinas – Equipamentos de parada de emergência – Aspectos funcionais – Princípios para projeto;
ABNT NBR ISO 20474 – Máquinas rodoviárias – Segurança.

Atenção:
EAD Ensino a Distância, Presencial e Semipresencial

Base Legal – Norma Técnica 54 Ministério do Trabalho
RESPONSABILIDADES – Como a capacitação em SST é obrigação trabalhista a ser fornecida pelo empregador a seus trabalhadores em razão dos riscos oriundos da atividade explorada, é de inteira responsabilidade do empregador garantir sua efetiva implementação, sujeitando-se às sanções administrativas cabíveis em caso de uma capacitação não efetiva ou ainda pela capacitação de má qualidade que não atenda aos requisitos da legislação. É indispensável observar que, ainda que se opte pela realização de capacitação em SST por meio de EaD ou semipresencial, é salutar que toda capacitação seja adaptada à realidade de cada estabelecimento. É que o trabalhador está sendo capacitado pelo empregador para atuar em determinado espaço, logo, uma capacitação genérica não irá atender às peculiaridades de toda e qualquer atividade econômica. Veja na íntegra Nota Técnica 54 do Ministério do Trabalho MT Clique Aqui

Carga Horária

Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis;

Participantes sem experiência:
Carga horária mínima = 40 horas/aula

Participantes com experiência:
Carga horária mínima = 16 horas/aula

Atualização (Reciclagem):
Carga horária mínima = 08 horas/aula

Atualização (Reciclagem): O empregador deve realizar treinamento periódico Anualmente  e sempre que ocorrer quaisquer das seguintes situações:
a) mudança nos procedimentos, condições ou operações de trabalho;
b) evento que indique a necessidade de novo treinamento;
c) retorno de afastamento ao trabalho por período superior a noventa dias;
d) mudança de empresa;
e) Troca de máquina ou equipamento.
NR 18.14.2.1 Os operadores devem ter ensino fundamental completo e devem receber qualificação e treinamento específico no equipamento, com carga horária mínima de dezesseis horas e atualização anual com carga horária mínima de quatro horas.

Certificado: Será expedido o Certificado para cada participante que atingir o aproveitamento mínimo de 70% (teórico e prático) conforme preconiza as Normas Regulamentadoras.

Critérios dos Certificados da Capacitação ou Atualização:
Nossos certificados são numerados e emitidos de acordo com as Normas Regulamentadoras e dispositivos aplicáveis:
Emissão da A.R.T. (Anotação de Responsabilidade Técnica);
Nome completo do funcionário e documento de identidade,;
Conteúdo programático;
Carga horária;Cidade, local e data de realização do treinamento;
Nome, identificação, assinatura e qualificação do(s) instrutor(es);
Nome, identificação e assinatura do responsável técnico pela capacitação;
Nome e qualificação do nosso Profissional Habilitado;
Especificação do tipo de trabalho e relação dos tipos de espaços confinados;
Espaço para assinatura do treinando;
Informação no Certificado que os participantes receberam DVD contendo material didático (Apostila, Vídeos, Normas etc.) apresentado no treinamento.
Evidencias do Treinamento: Vídeo editado, fotos, documentações digitalizadas, melhoria contínua, parecer do instrutor: Consultar valores.
Atenção:
NR-12.1.16 Os equipamentos de guindar que receberem cestos acoplados para elevação de pessoas devem ser submetidos a ensaios e inspeções periódicas de forma a garantir seu bom funcionamento e sua integridade estrutural.
12.1.16.1 Devem ser realizados ensaios que comprovem a integridade estrutural, tais como ultrassom e/ou emissão acústica, conforme norma ABNT NBR 14768:2015.
12.3.17 É proibida a movimentação de cargas suspensas no gancho do equipamento de guindar simultaneamente à movimentação de pessoas dentro do cesto acoplado.

Causas do Acidente Trabalho:
Falta de cuidados do empregado;
Falta de alerta do empregador;
Mesmo efetuando todos os Treinamentos e Laudos obrigatórios de Segurança e Saúde do Trabalho em caso de acidente de trabalho o empregador estará sujeito a Processos tipo:
1- Inquérito Policial – Polícia Civil;
2- Perícia através Instituto Criminalista;
3- Procedimento de Apuração junto Delegacia Regional do Trabalho;
4- Inquérito Civil Público perante o Ministério Público do trabalho para verificação se os demais trabalhadores não estão correndo perigo;
5- O INSS questionará a causa do acidente que poderia ser evitado e se negar a efetuar o pagamento do benefício ao empregado;
6- Familiares poderão ingressar com Processo na Justiça do Trabalho pleiteando danos Morais, Materiais, Luxação, etc.;
7- Tsunami Processuais obrigando o Empregador a gerar Estratégia de Defesas mesmo estando certo;
8- Apesar da Lei da Delegação Trabalhista não prever que se aplica a culpa em cooper vigilando mas apenas a responsabilidade de entregar o equipamento de treinamento (responsável em vigiar e na tem que realmente vigiar;
9- Não prever que se aplica a culpa em cooper vigilando ao Empregador mas apenas a responsabilidade de entregar o equipamento de treinar vale frisar que o Empregador também fica responsável em vigiar);
10- Quando ocorre um acidente além de destruir todo o “bom humor” das relações entre os empregados ou também o gravíssimo problema de se defender de uma série de procedimento ao mesmo tempo, então vale a pena investir nesta prevenção.
Salientamos que o empregado não pode exercer atividades expostos a riscos que possam comprometer sua segurança e saúde.
Sendo assim podem responder nas esferas criminal e civil, aqueles expõem os trabalhadores a tais riscos.

Rescue Cursos

Nossos Cursos são completos e dinâmicos

Reproduzir vídeo

Saiba mais sobre Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis;
22.3- Das Responsabilidades da Empresa e do Permissionário de Lavra Garimpeira;
22.3.1- Cabe à empresa, ao Permissionário de Lavra Garimpeira e ao responsável pela mina a obrigação de zelar pelo estrito cumprimento da presente Norma, prestando as informações que se fizerem necessárias aos órgãos fiscalizadores;
22.3.1.1- A empresa, o Permissionário de Lavra Garimpeira ou o responsável pela mina deve indicar aos órgãos fiscalizadores os técnicos responsáveis de cada setor;
22.3.2- Quando forem realizados trabalhos através de empresas contratadas pela empresa ou Permissionário de Lavra Garimpeira, deverá ser indicado o responsável pelo cumprimento da presente Norma;
22.3.3- Toda mina e demais atividades referidas no item 22.2 devem estar sob supervisão técnica de profissional legalmente habilitado;
22.3.4 – Compete ainda à empresa ou Permissionário de Lavra Garimpeira:
a) interromper todo e qualquer tipo de atividade que exponha os trabalhadores a condições de risco grave e iminente para sua saúde e segurança;
b) garantir a interrupção das tarefas, quando proposta pelos trabalhadores, em função da existência de risco grave e iminente, desde que confirmado o fato pelo superior hierárquico, que diligenciará as medidas cabíveis e;
c) fornece às empresas contratadas as informações sobre os riscos potenciais nas áreas em que desenvolverão suas atividades;
22.3.5 – A empresa ou Permissionário de Lavra Garimpeira coordenará a implementação das medidas relativas à segurança e saúde dos trabalhadores das empresas contratadas e proverá os meios e condições para que estas atuem em conformidade com esta Norma;
22.3.6- Cabe à empresa ou Permissionário de Lavra Garimpeira elaborar e implementar o Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional – PCMSO, conforme estabelecido na Norma Regulamentadora nº. 7;
22.3.7- Cabe à empresa ou Permissionário de Lavra Garimpeira elaborar e implementar o Programa de Gerenciamento de Riscos – PGR, contemplando os aspectos desta Norma, incluindo, no mínimo, os relacionados a:
a) riscos físicos, químicos e biológicos;
b) atmosferas explosivas;
c) deficiências de oxigênio;
d) ventilação;
e) proteção respiratória, de acordo com a Instrução Normativa nº. 1, de 11/04/94, da Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho;
f) investigação e análise de acidentes do trabalho;
g) ergonomia e organização do trabalho;
h) riscos decorrentes do trabalho em altura, em profundidade e em espaços confinados;
i) riscos decorrentes da utilização de energia elétrica, máquinas, equipamentos, veículos e trabalhos manuais;
j) equipamentos de proteção individual de uso obrigatório, observando-se no mínimo o constante na Norma Regulamentadora nº. 6;
l) estabilidade do maciço;
m) plano de emergência e;
n) outros resultantes de modificações e introduções de novas tecnologias.
22.3.7.1- O Programa de Gerenciamento de Riscos – PGR deve incluir as seguintes etapas:
a) antecipação e identificação de fatores de risco, levando-se em conta, inclusive, as informações do Mapa de Risco elaborado pela CIPAMIN, quando houver;
b) avaliação dos fatores de risco e da exposição dos trabalhadores;
c) estabelecimento de prioridades, metas e cronograma;
d) acompanhamento das medidas de controle implementadas;
e) monitorização da exposição aos fatores de riscos;
f) registro e manutenção dos dados por, no mínimo, vinte anos e;
g) avaliação periódica do programa;
22.3.7.1.1- O Programa de Gerenciamento de Riscos, suas alterações e complementações deverão ser apresentados e discutidos na CIPAMIN, para acompanhamento das medidas de controle.
22.3.7.1.2- O Programa de Gerenciamento de Riscos deve considerar os níveis de ação acima dos quais devem ser adotadas medidas preventivas, de forma a minimizar a probabilidade de ultrapassagem dos limites de exposição ocupacional, implementando-se princípios para o monitoramento periódico da exposição, informação dos trabalhadores e o controle médico, considerando as seguintes definições:
a) limites de exposição ocupacional são os valores de limites de tolerância previstos na Norma Regulamentadora nº.15 ou, na ausência destes, valores que venham a ser estabelecidos em negociação coletiva, desde que mais rigorosos que aqueles;
b) níveis de ação para agentes químicos são os valores de concentração ambiental correspondentes à metade dos limites de exposição, conforme definidos na alínea “a” anterior e;
c) níveis de ação para ruído são os valores correspondentes a dose de zero vírgula cinco (dose superior a cinquenta por cento), conforme critério estabelecido na Norma Regulamentadora nº.15, Anexo I, item 6;
22.3.7.1.3 – Desobrigam-se da exigência do PPRA as empresas que implementarem o PGR.

Importante:
Quando se tratar de Máquinas e Equipamentos de Elevação é obrigatório, imediatamente antes da movimentação, a realização de:
01 – Elaboração da Análise Preliminar e Risco -APR
02 – Permissão de Trabalho (PT)
03 – Checar EPIs e EPCs
04 – Verificar o Manual de Instrução do Equipamento;
04 – Verificar o Laudo de Inspeção Técnica do Equipamento e dos Pontos de Ancoragem com ART
05 –  Manter Equipe de Resgate equipada;
06 – Reunião de segurança sobre a operação com os envolvidos, contemplando as atividades que serão desenvolvidas, o  processo de trabalho, os riscos e as medidas de proteção, conforme análise de risco, consignado num documento a ser arquivado contendo o nome legível e assinatura dos participantes;
a) Inspeção visual;
b) Checagem do funcionamento do rádio;
c) Confirmação de que os sinais são conhecidos de todos os envolvidos na operação.
07- A reunião de segurança deve instruir toda a equipe de trabalho, dentre outros envolvidos na operação, no mínimo, sobre os seguintes perigos:
a) Impacto com estruturas externas;
b) Movimento inesperado;
c) Queda de altura;
i) Outros específicos associados com o içamento.
08 – A equipe de trabalho é formada pelo(s) ocupante(s) do cesto, operador do equipamento, sinaleiro designado e supervisor da operação.
09 – A equipe de Resgate equipada deve permanecer a tempo de resposta dentro dos padrões  de  zero a 10 minutos.

Saiba mais: Curso Prevenção de Riscos Equipamentos Móveis: Consulte-nos.

Atualize seu conhecimento!

Os Melhores Cursos e Treinamentos