Curso de Operador de Retroescavadeira, Operador de Retroescavadeira NR-11, Treinamento de retroescavadeira, O que é curso de retroescavadeira?, Porque fazer o curso de Operador de Retroescavadeira?, Aonde fazer Curso de NR-11 de Retroescavadeira,

Treinamento Retroescavadeira NR 11 / NR 31

Curso de Operador de Retroescavadeira NR 11

Curso Capacitação NR-11 ou NR-31 Segurança na Operação de Retroescavadeira

Cód: 1481

O Curso Operador de Retroescavadeira NR 11 / NR 31 visa capacitar o trabalhador para a operação segura da máquina autopropelida Retroescavadeira, abrangendo as etapas teórica e prática, a fim de permitir habilitação adequada do operador para trabalho seguro.

O que é Curso Retroescavadeira?
A retroescavadeira é diferente de um trator comum, pois possuí em sua frente uma pá montada e em sua traseira uma carregadeira, o equipamento é empregado principalmente nas construções urbanas.
As funções da máquina basicamente são: escavar valetas para tubulação de água e esgoto, carregar caminhões com terras e dejetos, nivelamento de terrenos, derrubada de paredes, entre outras funções.
Importante: Os operadores obrigatoriamente deverão ser Capacitados antes de iniciar qualquer tipo de trabalho e Atualizados periodicamente conforme preconiza as normas regulamentadoras.

Escolha Seu Plano

100% Presencial

16 Horas

Nossa Sede ou In Company DDD 11

Outros Locais Consultar

R$ 
Consultar

Por Pessoa/Turma (PagSeguro)

Semipresencial/Reciclagem

08 hs EAD / 08 hs Presenciais

Nossa Sede ou In Company DDD 11

Outros Locais Consultar

R$ 
Consultar

Por Pessoa/Turma (PagSeguro)

Preços Especiais

para Empresas/Turmas

Consulte

Conteúdo Programático

Valorização profissional e aspectos motivacionais Legislação  e Segurança e Medicina do trabalho;
Conscientização da Importância do Manual de Instrução de Máquinas e Equipamentos;
O perfil do operador de Máquinas;
Princípios de funcionamento do equipamento;
Terminologia dos principais componentes da máquina;
Retroescavadeira Axial, Retroescavadeira Axial com Braço extensível, Retroescavadeira de Deslocamento Lateral;
Instrumentos , Interruptores, Alavancas e Comandos;
Impactos e Meio Ambiente;
Inspeção visual dos níveis de óleo, água e painel de instrumentos;
Principio de funcionamento do sistema de: arrefecimento, alimentação de combustível, lubrificação, elétrico, hidráulico, transmissão, regulagem de esteira e freios;
A utilização correta de implementos e acessórios;
Operações de carregamentos, profundidade e alinhamento de escavação;
Correção de vícios na execução das tarefas no trabalho;
A eficiência na operação para a economia de combustível;
Segurança na operação, Transporte correta do equipamento;
Praça de operação Posições de carga / operação;
Remoção da Retroescavadeira, Instalação da Retroescavadeira, Estacionamento correto;
Partida e Parada do Motor, amaciamento do Motor, riscos de vazamentos;
Utilização do Inversor Hidráulico – Power shuttle, para conduzir a máquina em aclives e declives;
Operação da Retro escavadeira, com exercícios de dificuldade crescente;
Utilização da Retroescavadeira como Guindaste;
Como elaborar Análise Preliminar de Riscos – APR;

Curso de Operador de Retroescavadeira NR 11
Responsabilidades do Operador , conforme CBO (Classificação Brasileira de Ocupações) M.T.E.
Check list– Inspeção diária da Retro escavadeira – Tabela de observação diária Identificação dos instrumentos do painel e componentes;
Manobras diversas;
Prevenção de Acidentes + Primeiros Socorros;

MELHORIA CONTÍNUA:
Ao final do curso, com o objetivo de buscar melhorias, e a pedido da contratada, a Contratante entregará  uma avaliação do treinamento com sugestões técnicas do instrutor, dividida em duas partes distintas, a saber:

Parte I – Indicadores de aspectos individuais de cada participante do evento:
Assiduidade e Pontualidade;
Participação e Desempenho;
Parte II – Sugestões do instrutor e medidas complementares para a continuidade do desenvolvimento profissional dos participantes e aprimoramento da sua área:
Treinamentos complementares;
Práticas a serem adotadas no trabalho;
Recomendações ao superior imediato do treinando;

Complementos:
Prevenção de acidentes;
Procedimentos e noções de primeiros socorros;
Exercícios práticos;
Percepção dos riscos e fatores que afetam as percepções das pessoas;
Impacto e fatores comportamentais na segurança;
Fator medo;
Consequências da Habituação do risco;
A importância do conhecimento da tarefa;
Entendimentos sobre Ergonomia;
Análise de posto de trabalho;
Riscos ergonômicos;
Avaliação Teórica e Prática;
Certificado de Participação;

Referências Normativas:
NR-11 – Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais;
NR-12 – Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos;
NR-18 – Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção;
NR-6 – Equipamento de Proteção Individual – EPI;
NR-31 – Segurança e Saúde no Trabalho na Agricultura, Pecuária Silvicultura, Exploração Florestal e Aquicultura;

Atenção:
EAD Ensino a Distância, Presencial e Semipresencial
Base Legal – Norma Técnica 54 Ministério do Trabalho
RESPONSABILIDADES – Como a capacitação em SST é obrigação trabalhista a ser fornecida pelo empregador a seus trabalhadores em razão dos riscos oriundos da atividade explorada, é de inteira responsabilidade do empregador garantir sua efetiva implementação, sujeitando-se às sanções administrativas cabíveis em caso de uma capacitação não efetiva ou ainda pela capacitação de má qualidade que não atenda aos requisitos da legislação. É indispensável observar que, ainda que se opte pela realização de capacitação em SST por meio de EaD ou semipresencial, é salutar que toda capacitação seja adaptada à realidade de cada estabelecimento. É que o trabalhador está sendo capacitado pelo empregador para atuar em determinado espaço, logo, uma capacitação genérica não irá atender às peculiaridades de toda e qualquer atividade econômica. Veja na íntegra Nota Técnica 54 do Ministério do Trabalho MT Clique Aqui

Atenção:
NR- 12.1.16 Os equipamentos de guindar que receberem cestos acoplados para elevação de pessoas devem ser submetidos a ensaios e inspeções periódicas de forma a garantir seu bom funcionamento e sua integridade estrutural.
12.1.16.1 Devem ser realizados ensaios que comprovem a integridade estrutural, tais como ultrassom e/ou emissão acústica, conforme norma ABNT NBR 14768:2015.
12.3.17 É proibida a movimentação de cargas suspensas no gancho do equipamento de guindar simultaneamente à movimentação de pessoas dentro do cesto acoplado.

Carga Horária

Participantes sem experiência:
Carga horária mínima = 40 horas/aula

Participantes com experiência:
Carga horária  mínima NR 11 = 16 horas/aula
Carga horária  mínima NR 31 = 24 horas/aula

Atualização (Reciclagem):
Carga horária mínima = 08 horas/aula

Renovação (Reciclagem): É recomendável anualmente ou se ocorrer evento que indique a necessidade de atualização.

Certificado: Será expedido o Certificado para cada participante que atingir o aproveitamento mínimo de 70% (teórico e prático) conforme preconiza as Normas Regulamentadoras.

Procedimentos e Documentos necessários para operação de  Máquinas e Equipamentos Autopropelidos e Guindar:
ASO (Atestado de Saúde Ocupacional, com indicação para operação dentro da validade);
Cópia da carteira de trabalho (Página  foto; qualificação civil e contrato de trabalho);
Ficha de registro e controle de entrega de EPI;
Cópia do contrato de prestação de serviço;
CNH Categoria E,D ou C do motorista;
Certificado de Capacitação e Atualização específica da máquina ou equipamento, carteira de identificação;
Laudo de Inspeção Técnica da Máquina ou Equipamento;
Laudos das cintas de içamento, cabos de aço e correntes quando for o caso;
ART ( Anotação de Responsabilidade Técnica) de liberação do equipamento;
Manual de Instruções Técnicas do equipamento;

Rescue Cursos

Nossos Cursos são completos e dinâmicos

Reproduzir vídeo

Saiba Mais sobre o Curso de Operador de  Retroescavadeira:

NR-12.3 O empregador deve adotar medidas de proteção para o trabalho em máquinas e equipamentos, capazes de garantir a saúde e a integridade física dos trabalhadores, e medidas apropriadas sempre que houver pessoas com deficiência envolvidas direta ou indiretamente no trabalho.
12.4 São consideradas medidas de proteção, a ser adotadas nessa ordem de prioridade:
a) medidas de proteção coletiva;
b) medidas administrativas ou de organização do trabalho; e
c) medidas de proteção individual.
12.5 Na aplicação desta Norma e de seus anexos, devem-se considerar as características das máquinas e equipamentos, do processo, a apreciação de riscos e o estado da técnica. (Alterado pela Portaria MTPS n.º 509, de 29 de abril de 2016 – Vide Nota Técnica DSST/SIT n.º 48/20016) 12.5A Cabe aos trabalhadores: (Item e alíneas inseridos pela Portaria MTE n.º 857, de 25 de junho de 2015)
a) cumprir todas as orientações relativas aos procedimentos seguros de operação, alimentação, abastecimento, limpeza, manutenção, inspeção, transporte, desativação, desmonte e descarte das máquinas e equipamentos;
b) não realizar qualquer tipo de alteração nas proteções mecânicas ou dispositivos de segurança de máquinas e equipamentos, de maneira que possa colocar em risco a sua saúde e integridade física ou de terceiros;
c) comunicar seu superior imediato se uma proteção ou dispositivo de segurança foi removido, danificado ou se perdeu sua função;
d) participar dos treinamentos fornecidos pelo empregador para atender às exigências/requisitos descritos nesta Norma;
e) colaborar com o empregador na implementação das disposições contidas nesta Norma. 12.5.1 Não é obrigatória a observação de novas exigências advindas de normas técnicas publicadas posteriormente à data de fabricação, importação ou adequação das máquinas e equipamentos, desde que atendam a Norma Regulamentadora n.º 12, publicada pela Portaria n.º 197/2010, seus anexos e suas alterações posteriores, bem como às normas técnicas vigentes à época de sua fabricação, importação ou adequação. (Inserido pela Portaria MTb n.º 1.111, de 21 de setembro de 2016)

Importante:
Quando se tratar de Máquinas e Equipamentos de Elevação é obrigatório, imediatamente antes da movimentação, a realização de:
01 – Elaboração da Análise Preliminar e Risco -APR
02 – Permissão de Trabalho (PT)
03 – Checar EPIs e EPCs
04 – Verificar o Manual de Instrução do Equipamento;
04 – Verificar o Laudo de Inspeção Técnica do Equipamento e dos Pontos de Ancoragem com ART
05 –  Manter Equipe de Resgate equipada;
06 – Reunião de segurança sobre a operação com os envolvidos, contemplando as atividades que serão desenvolvidas, o  processo de trabalho, os riscos e as medidas de proteção, conforme análise de risco, consignado num documento a ser arquivado contendo o nome legível e assinatura dos participantes;
a) Inspeção visual;
b) Checagem do funcionamento do rádio;
c) Confirmação de que os sinais são conhecidos de todos os envolvidos na operação.
07- A reunião de segurança deve instruir toda a equipe de trabalho, dentre outros envolvidos na operação, no mínimo, sobre os seguintes perigos:
a) Impacto com estruturas externas;
b) Movimento inesperado;
c) Queda de altura;
i) Outros específicos associados com o içamento.
08 – A equipe de trabalho é formada pelo(s) ocupante(s) do cesto, operador do equipamento, sinaleiro designado e supervisor da operação.
09 – A equipe de Resgate equipada deve permanecer a tempo de resposta dentro dos padrões  de  zero a 10 minutos.

Curso de Operador de Retroescavadeira. Consulte-nos.

Atualize seu conhecimento!

Os Melhores Cursos e Treinamentos