Curso Operação de Central de Alarme de Incêndio

Curso Operação de Central de Alarme de Incêndio

Curso Operação de Central de Alarme de Incêndio

Nome Técnico: Curso Segurança e Saúde na Operação de Central de Alarme de Incêndio

Referência:

Curso Operação de Central de Alarme de Incêndio
O objetivo do Curso Operação de Central de Alarme de Incêndio é preparar colaboradores para entenderem, operarem e administrarem a Central de Alarme com proficiência e perspicácia, visando sempre a Segurança dos Trabalhadores e do Patrimônio da empresa envolvida no ambiente industrial e corporativo.

O que é Alarme de Incêndio?
O alarme de incêndio é o sistema responsável pela informação de todos os usuários envolvidos em uma determinada área da iminência da ocorrência de um incêndio ou no princípio do mesmo.

Escolha Seu Plano

100% Presencial

16 Horas - Com Experiência

Nossa Sede ou In Company DDD 11

Outros Locais Consultar

R$ 
Consultar

Por Pessoa/Turma (PagSeguro)

Semipresencial/Reciclagem

08hs EAD / 08hs Presenciais

Nossa Sede ou In Company DDD 11

Outros Locais Consultar

R$ 
Consultar

Por Pessoa/Turma (PagSeguro)

EAD (Ensino a Distância)

40 Horas - Com Experiência

Totalmente Online

Imperdível!

R$ 
Consultar

Por Pessoa/Turma (PagSeguro)

Preços Especiais

para Empresas/Turmas

Consulte

Conteúdo Programático

Curso Operação de Central de Alarme de Incêndio

Conscientização da importância do Manual de Instruções;
Aspectos Gerais da Prevenção de Incêndios;
Características técnicas da Central de Alarme de Incêndio;
Classificação dos Incêndios e os Métodos de Extinção;
Acionadores Manuais de Alarme;
Alarme de Incêndio;
Baterias;
Cabeamento;
Configuração da central;
Configuração dos módulos;
Critério de supervisão de saídas de sirene;
Critério para alarme e defeito;
Critério para defeito nas saídas sirene;
Critérios de supervisão;
Definição dos símbolos de advertência;
Descrição das partes da central;
Detalhes das indicações do painel frontal;
Dimensional da central;
Equipamentos auxiliares;
Equipamentos de Detecção e Combate a Incêndio;
Erros mais comuns;
Forma conexão do cabo de programação;
Identificação/solução de problemas;
Iluminação de emergência;
Informações gerais da Central de Alarme de Incêndio;
Interligação com ventilação;
Interligação da central com seus periféricos;
Manuseio de componentes eletrônicos;
Noções sobre Manutenção periódica da central;
Noções sobre Manutenção preventiva do sistema de detecção e alarme;
Meios de Escape;
Parte interna da central;
Porta Corta-Fogo;
Curso Operação de Central de Alarme de Incêndio
Posicionamento da central;
Principais Causas de Incêndio em uma Edificação;
Princípios Básicos do Fogo;
Procedimento de ajuste do calendário;
Recomendações;
Reconhecimento do alarme;
Reinicialização do sistema de alarme;
Saída de emergência;
Sinais do acionador;
Sinalização de alarme;
Sinalização de defeito;
Sinalização de segurança;
Curso Operação dos Sistemas de Detecção e Alarme de Incêndio;
Complementose
Prevenção de acidentes;
Procedimentos e noções de primeiros socorros;
Exercícios práticos;
Percepção dos riscos e fatores que afetam as percepções das pessoas;
Impacto e fatores comportamentais na segurança;
Fator medo;
Consequências da Habituação do risco;
A importância do conhecimento da tarefa;
Entendimentos sobre Ergonomia;
Análise de posto de trabalho;
Riscos ergonômicos;
Avaliação Teórica e Prática;
Certificado de Participação.

Referências Normativas aos dispositivos aplicáveis e suas atualizações:
NR – 18 – Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção;
NR – 23 – Proteção Contra Incêndio;
ABNT ISO/TS – 7240 Sistemas de detecção e alarme de incêndio
ABNT NBR IEC – 60839 Sistemas de alarme
ABNT NBR ISO – 7240 Sistemas de detecção e alarme de incêndio;
ABNT NBR 12693 – Sistemas de proteção por extintores de incêndio;
ABNT NBR 13434 – Sinalização de segurança contra incêndio e pânico;
Protocolo 2015 Guidelines American Heart Association;
Portaria GM N.2048 – Política Nacional de Atenção as Urgências.

Curso Operação de Central de Alarme de Incêndio

Atenção:
EAD Ensino a Distância, Presencial e Semipresencial

Base Legal – Norma Técnica 54 Ministério do Trabalho
RESPONSABILIDADES – Como a capacitação em SST é obrigação trabalhista a ser fornecida pelo empregador a seus trabalhadores em razão dos riscos oriundos da atividade explorada, é de inteira responsabilidade do empregador garantir sua efetiva implementação, sujeitando-se às sanções administrativas cabíveis em caso de uma capacitação não efetiva ou ainda pela capacitação de má qualidade que não atenda aos requisitos da legislação. É indispensável observar que, ainda que se opte pela realização de capacitação em SST por meio de EaD ou semipresencial, é salutar que toda capacitação seja adaptada à realidade de cada estabelecimento. É que o trabalhador está sendo capacitado pelo empregador para atuar em determinado espaço, logo, uma capacitação genérica não irá atender às peculiaridades de toda e qualquer atividade econômica. Veja na íntegra Nota Técnica 54 do Ministério do Trabalho MT Clique Aqui

Carga Horária

Curso Operação de Central de Alarme de Incêndio

Participantes sem experiência:
Carga horária mínima = 40 horas/aula

Participantes com experiência:
Carga horária mínima = 16 horas/aula

Atualização (Reciclagem):
Carga horária mínima = 08 horas/aula

Atualização (Reciclagem): O empregador deve realizar treinamento periódico Anualmente  e sempre que ocorrer quaisquer das seguintes situações:
a) mudança nos procedimentos, condições ou operações de trabalho;
b) evento que indique a necessidade de novo treinamento;
c) retorno de afastamento ao trabalho por período superior a noventa dias;
d) mudança de empresa;
e) Troca de máquina ou equipamento.
NR 18.14.2.1 Os operadores devem ter ensino fundamental completo e devem receber qualificação e treinamento específico no equipamento, com carga horária mínima de dezesseis horas e atualização anual com carga horária mínima de quatro horas.

Certificado:Será expedido o Certificado para cada participante que atingir o aproveitamento mínimo de 70% (teórico e prático) conforme preconiza as Normas Regulamentadoras.

Critérios dos Certificados da Capacitação ou Atualização:
Nossos certificados são numerados e emitidos de acordo com as Normas Regulamentadoras e dispositivos aplicáveis:
Emissão da A.R.T. (Anotação de Responsabilidade Técnica);
Nome completo do funcionário e documento de identidade,;
Conteúdo programático;
Carga horária;Cidade, local e data de realização do treinamento;
Nome, identificação, assinatura e qualificação do(s) instrutor(es);
Nome, identificação e assinatura do responsável técnico pela capacitação;
Nome e qualificação do nosso Profissional Habilitado;
Especificação do tipo de trabalho e relação dos tipos de espaços confinados;
Espaço para assinatura do treinando;
Informação no Certificado que os participantes receberam DVD contendo material didático (Apostila, Vídeos, Normas etc.) apresentado no treinamento.
Evidencias do Treinamento: Vídeo editado, fotos, documentações digitalizadas, melhoria contínua, parecer do instrutor: Consultar valores.

Causas do Acidente Trabalho:
Falta de cuidados do empregado;
Falta de alerta do empregador;
Mesmo efetuando todos os Treinamentos e Laudos obrigatórios de Segurança e Saúde do Trabalho em caso de acidente de trabalho o empregador estará sujeito a Processos tipo:
1- Inquérito Policial – Polícia Civil;
2- Perícia através Instituto Criminalista;
3- Procedimento de Apuração junto Delegacia Regional do Trabalho;
4- Inquérito Civil Público perante o Ministério Público do trabalho para verificação se os demais trabalhadores não estão correndo perigo;
5- O INSS questionará a causa do acidente que poderia ser evitado e se negar a efetuar o pagamento do benefício ao empregado;
6- Familiares poderão ingressar com Processo na Justiça do Trabalho pleiteando danos Morais, Materiais, Luxação, etc.;
7- Tsunami Processuais obrigando o Empregador a gerar Estratégia de Defesas mesmo estando certo;
8- Apesar da Lei da Delegação Trabalhista não prever que se aplica a culpa em cooper vigilando mas apenas a responsabilidade de entregar o equipamento de treinamento (responsável em vigiar e na tem que realmente vigiar;
9- Não prever que se aplica a culpa em cooper vigilando ao Empregador mas apenas a responsabilidade de entregar o equipamento de treinar vale frisar que o Empregador também fica responsável em vigiar);
10- Quando ocorre um acidente além de destruir todo o “bom humor” das relações entre os empregados ou também o gravíssimo problema de se defender de uma série de procedimento ao mesmo tempo, então vale a pena investir nesta prevenção.
Salientamos que o empregado não pode exercer atividades expostos a riscos que possam comprometer sua segurança e saúde.
Sendo assim podem responder nas esferas criminal e civil, aqueles expõem os trabalhadores a tais riscos.

Curso Operação de Central de Alarme de Incêndio

Rescue Cursos

Nossos Cursos são completos e dinâmicos

Reproduzir vídeo

Saiba Mais: Curso Operação de Central de Alarme de Incêndio:

O Alarme de incêndio é controlado pela central de alarme de incêndio, detector de fumaça, detector de temperatura, sirene de incêndio são parte de um sistema detecção e alarme de incêndio.
A central detecção e alarme de incêndio pode ser endereçável ou tradicional e ambas devem atender a NR23 Proteção contra incêndios.
O sistema de alarme de incêndio possui laço simples ou mesmo laço duplo de componentes, como instalar sensor de fumaça ou mesmo como ligar o detector de fumaça ao sistema dependem do tipo de laço.
O teste de alarme de incêndio pode ser realizado acionando a sirene de incêndio na central de combate a incêndio.
Acidentes acontecem e nem sempre estamos preparados para eles. Por conta disso, e com o objetivo de preservar vidas e patrimônios, é que existe o sistema de detecção e alarme de incêndio.
O sistema de detecção e alarme de incêndio geralmente é composto por duas “partes”, o sistema de alarme e o sistema de detecção. Estes sistemas são interligados a uma central capaz de controlar e monitorar estas “partes”, gerenciando as ações entre elas.
O sistema de detecção é composto por detectores de fumaça automáticos e acionadores manuais, devidamente arranjados e dispostos de forma a identificar precocemente um foco de incêndio, sejam pela identificação da fumaça, ou pela identificação visual de algum ocupante que dispara o acionador manualmente.
Diversas tecnologias de detectores estão disponíveis, dentre elas, destacam-se os detectores pontuais de fumaça e os detectores pontuais de calor, muitas vezes é difícil de identificar visualmente qual deles está instalado em um ambiente, mas eles possuem aplicações bem distintas.
Ainda existem outras tecnologias em detecção, como os detectores lineares de temperatura, os detectores de alta sensibilidade por aspiração de fumaça, os detectores de chamas, entre outros. O arranjo destes detectores é interligado por uma infraestrutura de cabos condutores, formando o chamado laço de detecção, e este laço, por sua vez está interligado com a central.
O sistema de alarme é o coração deste sistema e é composto por uma rede de sinalizadores áudios/visuais que têm por objetivo promover a comunicação de emergência no ambiente.
Esta rede deve ser projetada e distribuída ao longo da rota de fuga para poder notificar todos os ocupantes da edificação a evacuarem o ambiente com total segurança.
A interligação destes dois sistemas é fundamental para o sucesso da proteção das vidas e patrimônios envolvidos, pois a combinação destas funções em uma central de incêndios proporciona o sinal da detecção automática de incêndio com o comando dos dispositivos de sinalização, possibilitando uma evacuação antecipada e ainda mais segura.
O que mais se espera de um sistema de detecção e alarme de incêndio é sua confiabilidade.
Um sistema pode incorrer em alarme falso em função de diversos fatores, como má instalação e sujeira, por exemplo. A frequência destes falsos alarmes pode significar perda de vidas em uma situação real de emergência, caso sua credibilidade esteja baixa, ao mesmo tempo que seu desempenho insatisfatório pode retardar a sinalização em uma situação onde cada segundo é precioso.
Por este motivo é de suma importância a atenção na fase de projeto, instalação e na utilização de equipamentos certificados em possuírem a garantia de atendimento às normas de fabricação e testes. E claro, uma vez instalado o sistema, este deve ser mantido e testado periodicamente.
Muitas vezes na indústria ainda temos interligado um sistema de extinção automática à central de incêndio, tornando possível um combate automático e muito eficaz logo no início do incêndio, mitigando as perdas e protegendo a continuidade das operações.
Um sistema de detecção e alarme de incêndio não evita um sinistro, mas pode sim minimizar as perdas e salvar muitas vidas.

Curso Operação de Central de Alarme de Incêndio: Consulte-nos.

Atualize seu conhecimento!

Os Melhores Cursos e Treinamentos