Curso Complementar - Áreas Classificadas

Curso Complementar - Áreas Classificadas

Curso Complementar – Áreas Classificadas

Nome Técnico: Curso Capacitação NR 10 Complementar – Áreas Classificadas – 16 Horas

Cód: 975

Curso Complementar – Áreas Classificadas
O objetivo do Curso Complementar – Áreas Classificadas é capacitar o participante para o reconhecimento das áreas classificadas e adotar as devidas medidas técnicas, garantindo a segurança no ambiente de trabalho, conforme é estabelecido na NR 10.

O que são Áreas classificadas?
As Áreas Classificadas são considerados ambientes de alto risco, ou seja, aqueles os quais existe a possibilidade de vazamento de gases inflamáveis em situação de funcionamento normal devido a razões diversas, como por exemplo o desgaste ou deterioração de equipamentos.

Escolha Seu Plano

100% Presencial

16 Horas - Com Experiência

Nossa Sede ou In Company DDD 11

Outros Locais Consultar

R$ 
Consultar

Por Pessoa/Turma (PagSeguro)

Semipresencial/Reciclagem

08hs EAD / 08hs Presenciais

Nossa Sede ou In Company DDD 11

Outros Locais Consultar

R$ 
Consultar

Por Pessoa/Turma (PagSeguro)

EAD (Ensino a Distância)

40 Horas - Com Experiência

Totalmente Online

Imperdível!

R$ 
Consultar

Por Pessoa/Turma (PagSeguro)

Preços Especiais

para Empresas/Turmas

Consulte

Conteúdo Programático

Curso Complementar – Áreas Classificadas

Conteúdo Programático:
Como reconhecer áreas classificadas;
NR 35 Trabalho em Alturas;
NR 33 Ambientes Confinados;
Ambientes Áreas Classificadas;
Ambientes Úmidos, frios e quentes;
Condições atmosféricas explosivas;
Proteção contra explosão;
Equipamentos elétricos intrinsecamente seguros e associados;
Tipos de barreiras de segurança intrinseca;
Aplicações típicas de equipamentos instrinsecamente seguros e associados;
Marcação de equipamentos de segurança intrínseca;
A importância da Equipe de Resgate;
Complementos:
Exercícios práticos;
Percepção dos riscos e fatores que afetam as percepções das pessoas;
Impacto e fatores comportamentais na segurança;
Fator medo;
Consequências da Habituação do risco;
A importância do conhecimento da tarefa;
Análise de posto de trabalho;
Avaliação Teórica e Prática;
Certificado de Participação;

Referências Normativas aos dispositivos aplicáveis e suas atualizações:
NR – 06 – Equipamento de Proteção Individual – EPI;
NR – 10 – Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade;
NR – 18 – Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção;
NR – 26 – Sinalização de Segurança;
ABNT IEC/TR 60079 – Equipamentos elétricos para atmosferas explosivas;
ABNT NBR IEC 60079 – Atmosferas explosivas;
ABNT NBR 14639 – Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis — Posto revendedor veicular (serviços) e ponto de abastecimento — Instalações elétricas;
ABNT NBR 5410 – Instalações elétricas de baixa tensão.

Curso Complementar – Áreas Classificadas

Atenção:
EAD Ensino a Distância, Presencial e Semipresencial

Base Legal – Norma Técnica 54 Ministério do Trabalho
RESPONSABILIDADES – Como a capacitação em SST é obrigação trabalhista a ser fornecida pelo empregador a seus trabalhadores em razão dos riscos oriundos da atividade explorada, é de inteira responsabilidade do empregador garantir sua efetiva implementação, sujeitando-se às sanções administrativas cabíveis em caso de uma capacitação não efetiva ou ainda pela capacitação de má qualidade que não atenda aos requisitos da legislação. É indispensável observar que, ainda que se opte pela realização de capacitação em SST por meio de EaD ou semipresencial, é salutar que toda capacitação seja adaptada à realidade de cada estabelecimento. É que o trabalhador está sendo capacitado pelo empregador para atuar em determinado espaço, logo, uma capacitação genérica não irá atender às peculiaridades de toda e qualquer atividade econômica. Veja na íntegra Nota Técnica 54 do Ministério do Trabalho MT Clique Aqui

Carga Horária

Curso Complementar – Áreas Classificadas

Participantes sem ou com experiência:
Carga horária mínima = 40 horas/aula

Atualização (Reciclagem):
Carga horária mínima = 08 horas/aula

Atualização (Reciclagem):  Curso NR 10 Complementar – Áreas Classificadas
NR 10 Item 10.8.8.2 Deve ser realizado um treinamento de reciclagem bienal e sempre que ocorrer alguma das situações a seguir:
a) troca de função ou mudança de empresa;

b) retorno de afastamento ao trabalho ou inatividade, por período superior a três meses;
c) modificações significativas nas instalações elétricas ou troca de métodos, processos e organização do trabalho.

Certificado:Será expedido o Certificado para cada participante que atingir o aproveitamento mínimo de 70% (teórico e prático) conforme preconiza as Normas Regulamentadoras.

Critérios dos Certificados da Capacitação ou Atualização:
Nossos certificados são numerados e emitidos de acordo com as Normas Regulamentadoras e dispositivos aplicáveis:
Emissão da A.R.T. (Anotação de Responsabilidade Técnica);
Nome completo do funcionário e documento de identidade,;
Conteúdo programático;
Carga horária;Cidade, local e data de realização do treinamento;
Nome, identificação, assinatura e qualificação do(s) instrutor(es);
Nome, identificação e assinatura do responsável técnico pela capacitação;
Nome e qualificação do nosso Profissional Habilitado;
Especificação do tipo de trabalho e relação dos tipos de espaços confinados;
Espaço para assinatura do treinando;
Informação no Certificado que os participantes receberam DVD contendo material didático (Apostila, Vídeos, Normas etc.) apresentado no treinamento.
Evidencias do Treinamento: Vídeo editado, fotos, documentações digitalizadas, melhoria contínua, parecer do instrutor: Consultar valores.

Causas do Acidente Trabalho:
Falta de cuidados do empregado;
Falta de alerta do empregador;
Mesmo efetuando todos os Treinamentos e Laudos obrigatórios de Segurança e Saúde do Trabalho em caso de acidente de trabalho o empregador estará sujeito a Processos tipo:
1- Inquérito Policial – Polícia Civil;
2- Perícia através Instituto Criminalista;
3- Procedimento de Apuração junto Delegacia Regional do Trabalho;
4- Inquérito Civil Público perante o Ministério Público do trabalho para verificação se os demais trabalhadores não estão correndo perigo;
5- O INSS questionará a causa do acidente que poderia ser evitado e se negar a efetuar o pagamento do benefício ao empregado;
6- Familiares poderão ingressar com Processo na Justiça do Trabalho pleiteando danos Morais, Materiais, Luxação, etc.;
7- Tsunami Processuais obrigando o Empregador a gerar Estratégia de Defesas mesmo estando certo;
8- Apesar da Lei da Delegação Trabalhista não prever que se aplica a culpa em cooper vigilando mas apenas a responsabilidade de entregar o equipamento de treinamento (responsável em vigiar e na tem que realmente vigiar;
9- Não prever que se aplica a culpa em cooper vigilando ao Empregador mas apenas a responsabilidade de entregar o equipamento de treinar vale frisar que o Empregador também fica responsável em vigiar);
10- Quando ocorre um acidente além de destruir todo o “bom humor” das relações entre os empregados ou também o gravíssimo problema de se defender de uma série de procedimento ao mesmo tempo, então vale a pena investir nesta prevenção.
Salientamos que o empregado não pode exercer atividades expostos a riscos que possam comprometer sua segurança e saúde.
Sendo assim podem responder nas esferas criminal e civil, aqueles expõem os trabalhadores a tais riscos.

Curso Complementar – Áreas Classificadas

Rescue Cursos

Nossos Cursos são completos e dinâmicos

Reproduzir vídeo

Saiba mais: Curso Complementar – Áreas Classificadas:

NBR 5410, NBR 5419 E NBR 15749
Você sabia que estas normas foram lincadas?
Em 26/06/2015 foi liberada a nova revisão norma ABNT NBR 5419-2015 que trata das instalações do sistema de proteção contra descargas atmosférica – SPDA. A aplicabilidade da norma foi de 60 dias e, portanto, a partir de 26/08/2015 todas as empresas deverão atender as suas especificações visando uma padronização e um melhor sistema de proteção contra descargas.

A norma passou de 42 páginas na versão 2005 para 304 na versão 2015, onde deverão ser analisadas várias situações e variações de riscos.
Como resumo podemos concluir:
01- A norma saiu de uma análise superficial da estrutura, para uma análise gerencial de riscos e medidas de controle visando o aumento da eficiência do sistema de proteção contra descarga atmosférica. Diante das novas determinações, todas as empresas deverão providenciar:
02- Análise gerencial de risco. Perdas mecânicas, estruturais e vidas, todas interligadas e dependentes em cada classificação estrutural;
03-A composição do solo onde está localizado a empresa através da medição da resistividade do solo;
04-O projeto de sistema de proteção de descarga atmosférica para adequação do sistema de PDA;
05-Manter e controlar todo o histórico de manutenção deste sistema.
06-A medição do sistema de para raios com a referência dos 10 Ohms não existe mais.
07- Deverá ser realizada a medição da resistividade do solo.
08-Não há mais nenhuma norma com o valor de referência para o sistema de aterramento de 10 Ohms. E as medições do sistema de aterramento agora deverão atender a norma NBR 15749/2009-Medição de resistência de aterramento e de potenciais na superfície do solo em sistemas de aterramento.

Considerações
A) Não se trata apenas de alteração de norma e sim inclusão de novos dispositivos de proteção na linha de periféricos que adentram no estabelecimento desde cabos de energia até os cabos de telefonia, gás, antena coletiva entre outros.
B) Tudo deve ser analisado para compor o sistema. O sistema pode ser dividido em duas partes:
Sendo um SPDA composto de captação, descida e sistema de aterramento e outro de PDA composto de dispositivos supressores de surto a ser analisado e calculado conforme a capacidade de corrente de curto circuito do estabelecimento. Este cálculo está lincado na NBR 5410-Instalações elétricas de baixa tensão, para calculo das vestimentas.
Ou seja, agora o círculo se fechou. As três normas estão lincadas e dependentes entre si. NBR 5419, NBR 5410 e NBR 15749.
A nossa Empresa  está habilitada e qualificada a prestar todos estes serviços através de softwares de gerenciamento de risco, projetos do sistema de SPDA, instrumentos de medição como estratificador de solo para medição da resistividade do solo, micro-ohmímetro para medição da linha de aterramento e dispersão do solo e outros instrumentos como o Alicate para medição da resistência de aterramento (todos calibrados e certificados conforme padrão RBC) de maneira a compor e gerenciar toda a documentação necessária para o atendimento da nova versão das normas.
Passamos de uma folha com o cálculo de classificação, para um projeto do sistema de SPDA a ser entregue em folha padrão A1 com todo o descritivo construtivo do sistema e também um caderno de especificação técnica onde consta todas as variáveis do gerenciamento e risco adotado, pois cada gerenciamento de risco é diferente e deverá interagir entre eles.
Todos os estabelecimentos deverão estar adequados no momento de sua renovação, ou pelo menos, sendo gerado este projeto para adequação futura. Não podemos mais emitir o laudo de OK como pede o corpo de bombeiros no anexo R, sem verificar todas as variáveis, gerenciamento de risco e PDA.
A classificação do nível de proteção teve maior alteração na norma.
Curso Complementar – Áreas Classificadas: Consulte-nos

Atualize seu conhecimento!

Os Melhores Cursos e Treinamentos