curso enceradeira profissional, o que é curso enceradeira profissional, pra que serve curso enceradeira profissional, aonde fazer curso enceradeira profissional, como fazer curso enceradeira profissional, porque fazer curso enceradeira profissional, quando fazer curso enceradeira profissional, quanto custa curso enceradeira profissional,

treinamento para enceradeira

Curso Enceradeira Profissional

Nome Técnico: Curso Capacitação NR-12 Segurança na Operação de Enceradeira Profissional – 16 Horas

Cód: 11187

O Curso Enceradeira Profissional tem por objetivo abordar lavagem e polimento de pisos em áreas comerciais tais como hotéis, escolas, hospitais, lojas e escritórios entre outros.
Todos os operadores devem conhecer, entender e seguir as instruções de segurança.
Os cuidados com a segurança são indicados de duas maneiras, conforme abaixo indicado:
PERIGO: Refere-se a práticas inseguras ao operador que podem resultar em acidentes pessoais graves ou fatais.
CUIDADO: Refere-se a práticas inseguras que podem resultar em danos ao equipamento.

Escolha Seu Plano

100% Presencial

16 Horas - Com Experiência

Nossa Sede ou In Company DDD 11

Outros Locais Consultar

R$ 
Consultar

Por Pessoa/Turma (PagSeguro)

Semipresencial/Reciclagem

08hs EAD / 08hs Presenciais

Nossa Sede ou In Company DDD 11

Outros Locais Consultar

R$ 
Consultar

Por Pessoa/Turma (PagSeguro)

EAD (Ensino a Distância)

16 Horas - Com Experiência

Totalmente Online

Imperdível!

R$ 
Consultar

Por Pessoa/Turma (PagSeguro)

Preços Especiais

para Empresas/Turmas

Consulte

Conteúdo Programático

Curso Enceradeira Profissional

Conscientização da Importância em conhecer o Manual de Instruções do Equipamento;
Instruções de instalação, preparação, operação e manutenção do equipamento;
Instruções de segurança – Análise Preliminar de Riscos;
Componentes e acessórios;
Prevenção de riscos elétricos e principais áreas de perigo;
Bloqueio e sinalização;
Especificações e componentes do equipamento;
Medidas e dispositivos de segurança para evitar acidentes e primeiros socorros;
Demonstração prática dos perigos e dispositivos de segurança;
Bases normativas NR-06, NR-12, NR-10, NR-26.
Complementos:
Prevenção de acidentes;
Procedimentos e noções de primeiros socorros;
Exercícios práticos;
Método 5S:
SEITON – Senso de Organização;
SEIRI – Senso de Utilização;
SEISO – Senso de Limpeza;
SEIKETSU – Senso de Saúde e Higiene;
SHITSUKE – Senso de Disciplina;
Percepção dos riscos e fatores que afetam as percepções das pessoas;
Impacto e fatores comportamentais na segurança;
Fator medo;
Consequências da Habituação do risco;
A importância do conhecimento da tarefa;
Entendimentos sobre Ergonomia;
Análise de posto de trabalho;
Riscos ergonômicos;
Avaliação Teórica e Prática;
Certificado de Participação;

Referências Normativas aos dispositivos aplicáveis e suas atualizações: 
NR – 06 – Equipamento de Proteção Individual – EPI;
NR – 12 – Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos;
NBR 13759 – Segurança de máquinas – Equipamentos de parada de emergência – Aspectos funcionais – Princípios para projeto 

Atenção:
EAD Ensino a Distância, Presencial e Semipresencial

Base Legal – Norma Técnica 54 Ministério do Trabalho
RESPONSABILIDADES – Como a capacitação em SST é obrigação trabalhista a ser fornecida pelo empregador a seus trabalhadores em razão dos riscos oriundos da atividade explorada, é de inteira responsabilidade do empregador garantir sua efetiva implementação, sujeitando-se às sanções administrativas cabíveis em caso de uma capacitação não efetiva ou ainda pela capacitação de má qualidade que não atenda aos requisitos da legislação. É indispensável observar que, ainda que se opte pela realização de capacitação em SST por meio de EaD ou semipresencial, é salutar que toda capacitação seja adaptada à realidade de cada estabelecimento. É que o trabalhador está sendo capacitado pelo empregador para atuar em determinado espaço, logo, uma capacitação genérica não irá atender às peculiaridades de toda e qualquer atividade econômica. Veja na íntegra Nota Técnica 54 do Ministério do Trabalho MT Clique Aqui

Carga Horária

Curso de Enceradeira  Profissional

Participantes sem experiência:
Carga horária mínima = 40 horas/aula

Participantes com experiência:
Carga horária mínima = 16 horas/aula

Atualização (Reciclagem):
Carga horária mínima = 08 horas/aula

Atualização (Reciclagem): É recomendável anualmente: ou se ocorrer evento que indique a necessidade de atualização.
A Legislação e a Segurança em Máquinas;
As zonas de perigo das máquinas e equipamentos devem possuir sistemas de segurança, caracterizados por proteções fixas, proteções de móveis e dispositivos de segurança interligados, que garantam proteção à saúde e à integridade física dos trabalhadores;
A adoção de sistemas de segurança, em especial nas zonas de operação que apresentem perigo, deve considerar as características técnicas da máquina e do processo de trabalho e as medidas e alternativas técnicas existentes, de modo a atingir o nível necessário de segurança previsto nesta Norma;
Os sistemas de segurança devem ser selecionados e instalados de modo a atender aos seguintes requisitos;
a) ter categoria de segurança conforme prévia análise de riscos prevista nas normas técnicas oficiais vigentes;
b) estar sob a responsabilidade técnica de profissional legalmente habilitado;
c) possuir conformidade técnica com o sistema de comando a que são integrados;
d) instalação de modo que não possam ser neutralizados ou burlados;
e) manterem-se sob a vigilância automática, ou seja, monitoramento, de acordo com a categoria de segurança requerida, exceto para dispositivos de segurança exclusivamente mecânicos;
f) paralisação dos movimentos perigosos e demais riscos quando ocorrerem falhas ou situações anormais de trabalho;
Os sistemas de segurança, de acordo com a categoria de segurança requerida, devem exigir rearme, ou reset manual, após a correção da falha ou situação anormal de trabalho que provocou a paralisação da máquina.

Certificado: Será expedido o Certificado para cada participante que atingir o aproveitamento mínimo de 70% (teórico e prático) conforme preconiza as Normas Regulamentadoras.

Critérios dos Certificados da Capacitação ou Atualização:
Nossos certificados são numerados e emitidos de acordo com as Normas Regulamentadoras e dispositivos aplicáveis:
Emissão da A.R.T. (Anotação de Responsabilidade Técnica);
Nome completo do funcionário e documento de identidade,;
Conteúdo programático;
Carga horária; Cidade, local e data de realização do treinamento;
Nome, identificação, assinatura e qualificação do(s) instrutor(es);
Nome, identificação e assinatura do responsável técnico pela capacitação;
Nome e qualificação do nosso Profissional Habilitado;
Especificação do tipo de trabalho e relação dos tipos de espaços confinados;
Espaço para assinatura do treinando;
Informação no Certificado que os participantes receberam DVD contendo material didático (Apostila, Vídeos, Normas etc.) apresentado no treinamento.
Evidencias do Treinamento: Vídeo editado, fotos, documentações digitalizadas, melhoria contínua, parecer do instrutor: Consultar valores.

Causas do Acidente Trabalho:
Falta de cuidados do empregado;
Falta de alerta do empregador;
Mesmo efetuando todos os Treinamentos e Laudos obrigatórios de Segurança e Saúde do Trabalho em caso de acidente de trabalho o empregador estará sujeito a Processos tipo:
1- Inquérito Policial – Polícia Civil;
2- Perícia através Instituto Criminalista;
3- Procedimento de Apuração junto Delegacia Regional do Trabalho;
4- Inquérito Civil Público perante o Ministério Público do trabalho para verificação se os demais trabalhadores não estão correndo perigo;
5- O INSS questionará a causa do acidente que poderia ser evitado e se negar a efetuar o pagamento do benefício ao empregado;
6- Familiares poderão ingressar com Processo na Justiça do Trabalho pleiteando danos Morais, Materiais, Luxação, etc.;
7- Tsunami Processuais obrigando o Empregador a gerar Estratégia de Defesas mesmo estando certo;
8- Apesar da Lei da Delegação Trabalhista não prever que se aplica a culpa em cooper vigilando mas apenas a responsabilidade de entregar o equipamento de treinamento (responsável em vigiar e na tem que realmente vigiar;
9- Não prever que se aplica a culpa em cooper vigilando ao Empregador mas apenas a responsabilidade de entregar o equipamento de treinar vale frisar que o Empregador também fica responsável em vigiar);
10- Quando ocorre um acidente além de destruir todo o “bom humor” das relações entre os empregados ou também o gravíssimo problema de se defender de uma série de procedimento ao mesmo tempo, então vale a pena investir nesta prevenção.
Salientamos que o empregado não pode exercer atividades expostos a riscos que possam comprometer sua segurança e saúde.
Sendo assim podem responder nas esferas criminal e civil, aqueles expõem os trabalhadores a tais riscos.

Rescue Cursos

Nossos Cursos são completos e dinâmicos

Reproduzir vídeo

Saiba mais: Curso de Enceradeira  Profissional

Capacitação
NR-12.135 A operação, manutenção, inspeção e demais intervenções em máquinas e equipamentos devem ser realizadas por trabalhadores habilitados, qualificados, capacitados ou autorizados para este fim.
NR-12.136 Os trabalhadores envolvidos na operação, manutenção, inspeção e demais intervenções em máquinas e equipamentos devem receber capacitação providenciada pelo empregador e compatível com suas funções, que aborde os riscos a que estão expostos e as medidas de proteção existentes e necessárias, nos termos desta Norma, para a prevenção de acidentes e doenças.
Curso Enceradeira Profissional:
NR-12.138 A capacitação deve:
a) ocorrer antes que o trabalhador assuma a sua função;
b) ser realizada sem ônus para o trabalhador; (Alterada pela Portaria MTE n.º 857, de 25/06/2015)
c) ter carga horária mínima que garanta aos trabalhadores executarem suas atividades com segurança, sendo distribuída em no máximo oito horas diárias e realizada durante o horário normal de trabalho;
d) ter conteúdo programático conforme o estabelecido no Anexo II desta Norma; e
e) ser ministrada por trabalhadores ou profissionais qualificados para este fim, com supervisão de profissional legalmente habilitado que se responsabilizará pela adequação do conteúdo, forma, carga horária, qualificação dos instrutores e avaliação dos capacitados.
12.138.1 A capacitação dos trabalhadores de microempresas e empresas de pequeno porte poderá ser ministrada por trabalhador da própria empresa que tenha sido capacitado nos termos do item 12.138 em entidade oficial de ensino de educação profissional. (Inserido pela Portaria MTE n.º 857, de 25/06/2015).
Curso Enceradeira Profissional:
Curso Enceradeira Profissional:
12.141 Considera-se profissional legalmente habilitado para a supervisão da capacitação aquele que comprovar conclusão de curso específico na área de atuação, compatível com o curso a ser ministrado, com registro no competente conselho de classe.
12.142 A capacitação só terá validade para o empregador que a realizou e nas condições estabelecidas pelo profissional legalmente habilitado responsável pela supervisão da capacitação, exceto quanto aos trabalhadores capacitados nos termos do item 12.138.2. (Alterada pela Portaria MTE n.º 857, de 25/06/2015)
12.142.1 Fica dispensada a exigência do item 12.142 para os operadores de injetoras com curso de capacitação conforme o previsto no item 12.147 e seus subitens.
12.143 São considerados autorizados os trabalhadores qualificados, capacitados ou profissionais legalmente habilitados, com autorização dada por meio de documento formal do empregador.
Curso Enceradeira Profissional:
12.143.1 Até a data da vigência desta Norma, será considerado capacitado o trabalhador que possuir comprovação por meio de registro na Carteira de Trabalho e Previdência Social – CTPS ou registro de empregado de pelo menos dois anos de experiência na atividade e que receba reciclagem conforme o previsto no item 12.144 desta Norma.
12.144 Deve ser realizada capacitação para reciclagem do trabalhador sempre que ocorrerem modificações significativas nas instalações e na operação de máquinas ou troca de métodos, processos e organização do trabalho.
12.144.1 O conteúdo programático da capacitação para reciclagem deve atender às necessidades da situação que a motivou, com carga horária mínima que garanta aos trabalhadores executarem suas atividades com segurança, sendo distribuída em no máximo oito horas diárias e realizada durante o horário normal de trabalho.

12.145 A função do trabalhador que opera e realiza intervenções em máquinas deve ser anotada no registro de empregado, consignado em livro, ficha ou sistema eletrônico e em sua Carteira de Trabalho e Previdência Social – CTPS.
12.147.1 O curso de capacitação deve ser específico para o tipo máquina em que o operador irá exercer suas funções e atender ao seguinte conteúdo programático:
a) histórico da regulamentação de segurança sobre a máquina especificada;

b) descrição e funcionamento;
c) riscos na operação;
d) principais áreas de perigo;
e) medidas e dispositivos de segurança para evitar acidentes;
f) proteções – portas, e distâncias de segurança;
g) exigências mínimas de segurança previstas nesta Norma e na NR 10;
h) medidas de segurança para injetoras elétricas e hidráulicas de comando manual; e
i) demonstração prática dos perigos e dispositivos de segurança.
Importante:
Curso Enceradeira Profissional:
1 – Não opere o equipamento:
Sem estar treinado e autorizado;
Sem ler e compreender todo o manual;
Se o equipamento não estiver em suas corretas condições de funcionamento;
Se o cordão elétrico ou o plug estiver danificado;
2 – Quando operar o equipamento:
Retire todos os objetos soltos pelo piso. Estes objetos podem se transformar em perigosos projéteis se entrarem em contato como o disco do equipamento em movimento;
Mantenha os pés e mãos distantes dos discos em movimento;
Mantenha o equipamento em movimento quando ligado, para não causar danos ao piso;
Nunca utilize o equipamento na presença de líquidos ou gases inflamáveis;
Sempre esteja atento e tenha cuidado ao manobrar o equipamento.
3 – Depois de utilizar o equipamento:
Tenha certeza de que o equipamento está desligado;
PERIGO: Não deixe o equipamento só quando ele estiver ligado a tomada. Desligue o equipamento quando não estiver sendo usado e antes de realizar as manutenções.
CUIDADO: Não guarde o equipamento em áreas externas ou exposto a chuva.
PERIGO: Não permita que o equipamento seja utilizado como brinquedo. Tenha cautela ao utilizá-lo perto de crianças.
PERIGO: O uso de peças não especificadas ou adaptações, podem causar danos permanentes ao equipamento e ao operador.
CUIDADO: Não guarde o equipamento em câmaras frigoríficas fechadas. Tome cuidado quando utilizar este equipamento em condições de baixíssimas temperaturas.
PERIGO: Mantenha o equipamento longe de faíscas ou chamas.
CUIDADO: Não coloque nenhum objeto nas aberturas do equipamento e nem utilize nada para bloqueá-las.
Mantenha as aberturas livres de pó, ou qualquer outro tipo de materiais que possam reduzir o fluxo de ar. Tome cuidado para evitar que os cabelos, jóias ou fiapos de pano fiquem presos nas peças móveis.
PERIGO: Mantenha cabelos, roupas, dedos e todas as partes do corpo longe das partes móveis do equipamento.
CUIDADO: Não permita que partes elétricas de seu equipamento sejam molhados.
CUIDADO: Não limpe este equipamento com uma lavadora de pressão.
CUIDADO: Seja cauteloso ao usar discos abrasivos. O fabricante não se responsabiliza por quaisquer danos causados ao piso devido aos discos utilizados.
Instruções de Segurança:

Equipamento elétrico de elevada potência. Deve ser operado apenas por pessoa treinada e habilitada para tanto;
Leia atentamente as Instruções para Uso antes de operar o equipamento;
Certifique-se que a instalação elétrica onde o equipamento será ligado esteja em boas condições e que a tensão(voltagem) e corrente(amperagem) sejam compatíveis com o equipamento;
Caso necessário o uso de extensões, deve ser observado o comprimento máximo do cabo de 10 metros, bem como a bitola de 4,0mm;
Mantenha secas todas as conexões elétricas, não deixando-as em contato com o piso molhado ou úmido;
Não toque nos plugues e conexões elétricas com as mãos molhadas;
Nunca puxe o equipamento pelo cabo de alimentação elétrica;
As partes rotativas do equipamento (suportes e escovas) podem causar acidentes. Mantenha afastados pés, mãos e partes móveis. Passar o equipamento sobre objetos soltos no piso pode projetá-los com velocidade. Mantenha o cabo de alimentação elétrica longe de suportes e escovas;
Trabalhe com o cabo de alimentação elétrica totalmente desenrolado;
Nunca suba no equipamento ou use-o como apoio, principalmente se estiver ligado;
Nunca jogue água sobre qualquer parte do equipamento, sob o sério risco de causar choques elétricos e danos ao motor e outros componentes;
Use apenas escovas e suportes fornecidos junto com o equipamento ou especificados pelo Fabricante. O uso de outras escovas ou suportes pode comprometer a segurança da operação;
Examine o cabo de alimentação elétrica a cada vez que for utilizar o equipamento, observando se não existe desgaste ou ruptura. Caso positivo, entre em contato com a Assistência
Técnica do Fabricante para efetuar a substituição;
Todo e qualquer conserto, manutenção e reposição de peças deverão ser realizados pelo Fabricante ou por suas Assistências Técnicas Autorizadas, sob pena de perda da garantia do equipamento;

Saiba Mais: Curso Enceradeira Profissional: Consulte-nos.

Atualize seu conhecimento!

Os Melhores Cursos e Treinamentos