Curso de Direção Defensiva – Motocicletas

Objetivo: Nosso curso de Direção Defensiva – motocicletas trata-se de uma pilotagem segura direcionado para os condutores de motocicletas, gestores de frota,  técnicos de segurança, mecânicos, colaboradores que usam a moto para trajeto, seus líderes e pessoas que lidam com a motocicleta diariamente.
Curso Direção Defensiva – Motocicletas

Conteúdo Programático: Curso de Direção Defensiva – Motocicletas
Exercícios práticos e teoricos;
Point com o material escolhido;
Exercícios práticos com motocicletas com foco em alcançar os objetivos de melhora da pilotagem de cada condutor;
Dicas de como melhorar a condução da moto;
Relatório com acerto e erros cometido por cada condutor;
Ateção especial para condutores que tenham pilotagem abaixo das expectativas;
Guia pilotos na preparação para andar com segurança;
Desenvolver estratégias de rua efetivas;
Licenciamento aprimorado, juntamente com alta educação do motorista de moto de qualidade e maior conscientização pública;

Carga Horária: Curso direção defensiva- Motociscletas
Capacitação Participantes sem experiência: Carga horária mínima = 16 horas/aula
Capacitação Participantes com experiência: Carga horária mínima = 08 horas/aula
Atualização (Reciclagem) Carga horária mínima = 08 horas/aula

Saiba mais sobre Curso de Direção Defensiva Motocicletas:
A motocicleta é qualquer veículo a motor que tenha um assento ou sela para o uso do cavaleiro e projetado para viajar não mais de três rodas em contato com o solo, incluindo Qualquer bicicleta com um motor ou roda motriz anexada.
Numa revisão, deve-se solicitar uma ampla verificação. Os principais itens a serem verificados são os seguintes: limpeza de carburador ou injeção, conforme o caso; limpeza ou substituição das velas; regulagem de válvulas; limpeza, ajuste e lubrificação da corrente de transmissão, ou checagem do óleo para as que possuem eixo cardã; ajuste e lubrificação dos cabos de comandos (embreagem, acelerador, freio, afogador); verificação dos rolamentos das rodas e da coluna de direção; verificação da parte elétrica, checando se não há nenhuma lâmpada queimada; verificação dos fluídos (radiador, freio, bateria); limpeza ou substituição dos filtros (óleo, ar, combustível);
A simples troca de óleo e filtro não pode ser considerada uma revisão. É obrigação elementar de qualquer motociclista efetuar estas trocas na periodicidade recomendada no manual da moto. A quilometragem para a troca de óleo normalmente varia entre 1.500 e 3.000 km, dependendo da marca, do modelo, e até do tipo de utilização da moto. A substituição do elemento do filtro de óleo deve ocorrer a cada duas trocas de óleo. O óleo é o elemento que mais contribui para a “saúde” do motor.
ação do estado das pastilhas ou lonas de freio; verificação do desgaste dos pneus, etc.
Se o fabricante indicar que atende aos padrões de segurança para uma motocicleta no certificado de origem e é projetada para ser operada em formas públicas.
Um trator ou um veículo a motor projetado para o transporte de tacos de golfe e não mais de quatro pessoas, um caminhão industrial de três rodas ou uma bicicleta motorizada não são considerados motocicletas.
Estando a manutenção da sua motocicleta sempre “em dia”, será pouco provável que ela apresente problemas repentinamente e você se depare com situações de risco no meio do trânsito, rodovias ou lugares inóspitos durante as viagens. E, de quebra, ainda a valoriza.
Todo motociclista consciente preocupa-se com a manutenção de sua moto. Mesmo que ela não esteja apresentando nenhum problema aparente, ainda assim, é muito importante que se façam as chamadas “manutenções preventivas”. Estas revisões são importantes para que a motocicleta – que está aparentemente boa – continue realmente boa e não apresente problemas. Geralmente, recomenda-se efetuar as revisões a cada 5.000, 10.000 ou 15.000 km, dependendo do fabricante, modelo, frequência e tipo de utilização.
Manter a motocicleta em bom estado de conservação é um dos itens que formam a pilotagem defensiva. Só para dar um exemplo, não é nada seguro você ficar com sua moto parada no meio do trânsito (devido a uma pane repentina) em meio a veículos que passam em alta velocidade. O risco de algum motorista não o ver (a tempo) ou não poder desviar é grande. Isto poderia ocorrer, por exemplo, se sua moto apagar ou começar a falhar quando da abertura do sinal. Os veículos que vêm atrás podem dar “de cara” com você parado bem no meio da avenida.