Curso NR 33 – Espaço Confinado

      Nenhum comentário em Curso NR 33 – Espaço Confinado

Curso NR 33 – Espaço Confinado

A NR 33 tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento e controle dos riscos existentes, de forma a garantir permanentemente a segurança e saúde dos trabalhadores que interagem direta ou indiretamente nestes espaços.
Espaço Confinado é qualquer área ou ambiente não projetado para ocupação humana contínua, que possua meios limitados de entrada e saída, cuja ventilação existente é insuficiente para remover contaminantes ou onde possa existir a deficiência ou enriquecimento de oxigênio.

 

Treinamento Resgate em Espaço Confinado

Curso Resgate em Espaço Confinado

Curso Resgate em Espaços Confinados NR 33

O Curso visa capacitar os treinandos para o Resgate nos Espaços Confinados visando atender plenamente a Legislação em Vigor, além de obter conhecimentos sobre dos riscos existentes, equipamentos utilizados, procedimentos e utilização da PET, Primeiros Socorros. Público Alvo: Supervisores e Autorizados/Vigias; Técnicos em Segurança do Trabalho e Profissionais de Segurança.

 

Treinamento Supervisor de Entrada

Curso Espaço Confinado Supervisor de Entrada

Curso Espaço Confinado Supervisor de Entrada  NR 33

Este Curso estabelece aos Supervisores de Entrada, a capacitação específica para identificação de espaços confinados; critérios de indicação e uso dos equipamentos para controle de riscos; conhecimentos sobre práticas seguras em espaços confinados; PPR.

 

 

Treinamento Autorizado Vigia

Treinamento Autorizado Vigia

Curso Espaço Confinado Autorizados e Vigias NR 33

O Curso aborda a Legislação de segurança e saúde no trabalho; Programa de Proteção Respiratória; área classificada (áreas potencialmente explosivas ou com risco de explosão) e operações de salvamento.

 

Curso Resgate Técnico NR 33 e NR 35

Curso Resgate Técnico NR 33 e NR 35

Curso Resgate Técnico NR 33 e NR 35

O Curso  aborda Técnicas, Aspectos Administrativos e Legais: o treinamento habilita os empregados a atuarem nos serviços de espaço confinado, em atendimento a Norma Regulamentadora NR-33 e NR  35; PPR.   A parte  prática  proporciona que tenham visão  e conhecimento geral de todo o risco e técnicas para resgate e salvamento.

 

 

Treinamento Espaço Confinado Autorizado e Vigia NR 33

Treinamento Espaço Confinado Autorizado e Vigia NR 33

Treinamento Espaço Confinado Autorizado e Vigia NR 33

O Treinamento visa fornecer  os requisitos para identificação de espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento e controle dos riscos existentes, de forma a garantir permanentemente a segurança e saúde dos trabalhadores que interagem direta ou indiretamente nestes espaços.

 

 

Curso NR 33 Supervisor de Entrada em Espaço Confinado

Treinamento NR 33 Supervisor de Entrada em Espaço Confinado

Treinamento NR 33 Supervisor de Entrada em Espaço Confinado

Supervisor de Entrada: pessoa capacitada para operar a permissão de entrada com responsabilidade para preencher e assinar a Permissão de Entrada e Trabalho (PET) para o desenvolvimento de entrada e trabalho seguro no interior de espaços confinados.
Objetivo: Capacitar profissionais que já possuam comprovada proficiência no assunto para atuarem como Supervisor de Entrada em Espaço Confinado conforme preconiza NR 33.

 

Clique no vídeo e Assista Treinamento NR 33 Espaço Confinado e NR 35 Trabalho em Altura.

Clique no vídeo e Assista Treinamento NR 33 Espaço Confinado:

Saiba mais sobre o Curso NR 33 – Segurança e Saúde nos Trabalhos em  Espaços Confinado:
IPVS O QUE É?
Condição Imediatamente Perigosa à Vida ou à Saúde (IPVS): é qualquer condição que cause uma ameaça imediata à vida ou que pode causar efeitos adversos irreversíveis à saúde ou que interfira com a habilidade dos indivíduos para escapar de um espaço confinado sem ajuda. (NR 33).
PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA
Estabeleça um plano de emergência e resgate de modo que todos os trabalhadores se tornem consciente de suas responsabilidades e saibam o que fazer se ocorrer um acidente. Próximo ao local de entrada deve haver uma cópia escrita dos procedimentos de operação e resgate enquanto durarem os trabalhos.
4.1. PLANO DE RESGATE
 Identificar o espaço (descrição, localização na planta, características especiais).  Descrever o plano de comunicação.  Identificar os perigos potenciais (atmosféricos e físicos) do espaço.  Enumerar e especificar os equipamentos que possam ser utilizados em caso de emergência (equipamentos de altura, cordas, equipamentos de corte, primeiros socorros, extintor, etc.).
Curso NR 33 – Espaço Confinado:
4.2. GRUPOS DE RESGATE
 Os serviços de resgate fora do local de trabalho devem estar informados sobre os perigos nos espaços confinados. O número do telefone de emergência dos serviços de resgate deve ser de fácil acesso.
 Os grupos de trabalho no local devem estar equipados de forma apropriada e treinados da mesma forma que as pessoas que ingressam nos espaços com autorização. Devem receber treinamento quanto à utilização de EPIs e procedimentos de primeiros socorros, incluindo respiração cardiopulmonar. Estes grupos de trabalho devem fazer simulados periodicamente.
5. EMISSÃO DE PERMISSÃO
Depois do cumprimento satisfatório de todos os procedimentos de ingresso, o supervisor de entrada emite uma permissão de acesso e coloca uma cópia próxima à entrada do espaço que requer permissão.
5.1. DURANTE O TRABALHO
 Mantenha vigilância durante todo o processo de ingresso;  Monitore a atmosfera e mantenha comunicação com os trabalhadores;  Utilize obstáculos, faixas de isolamento, avisos de advertência, etc.
5.2. ENCERRAMENTO DOS TRABALHOS
 Imediatamente após o fim das atividades, cancele a permissão;  Mantenha todos os documentos relativos às atividades no arquivo, pelo menos por um ano, para facilitar a revisão do programa.
Revise o programa de permissão a cada ano. Atualize-o segundo suas necessidades.
6. RISCOS
Antes de entrar no Espaço Confinado, o mesmo deve ser inspecionado e serem identificados os riscos existentes, dentre eles podemos encontrar:
6.1. RISCOS FÍSICOS
 Ambiente físico agressivo: ruído elevado e vibrações (martelos pneumáticos, esmeril, etc.);  Ambiente quente ou frio;  Iluminação deficiente;  Um ambiente agressivo, além do risco de acidentes, acrescenta fadiga;
6.2. RISCOS QUÍMICOS
6.2.1. RISCOS ATMOSFÉRICOS
Condição em que a atmosfera, em um espaço confinado, possa oferecer riscos ao local e expor os trabalhadores ao perigo de morte, incapacitação, restrição da habilidade para auto–resgate, lesão ou doença aguda causada por uma ou mais das seguintes causas:
6.2.2. OXIGÊNIO
 Deficiência de oxigênio (asfixia): concentrações de oxigênio abaixo de 19,5%, sendo que abaixo de 18% o risco é grave e iminente. A deficiência de oxigênio pode ser por deslocamento (ex: vazamento de nitrogênio no espaço confinado) e consumo de oxigênio (ex: oxidação de superfície metálica no interior de tanques);  Enriquecimento de oxigênio: concentrações de oxigênio acima de 23,5% (ex: ventilar oxigênio para o espaço confinado);  Intoxicação: contaminantes com concentrações acima do Limite de Tolerância até Imediatamente Perigosa à Vida e à Saúde – IPVS (ex: monóxido de carbono LT acima de 25 ppm e IPVS de 1200 ppm;  Incêndio e explosão: presença de substâncias inflamáveis, tais como, metano, acetileno, GLP, gasolina, querosene, butano, etc.
Curso NR 33 – Espaço Confinado:
6.2.3. GÁS SULFÍDRICO
Este é um dos piores agentes ambientais agressivos ao ser humano, justamente pelo fato de que em concentrações médias e acima, o nosso sistema olfativo não consegue detectar a sua presença. Em concentrações superiores a 8,0 ppm (partes do gás por milhões de partes de ar) – que é o seu limite de tolerância, o gás sulfídrico causa:
 IRRITAÇÕES (50 – 100 PPM);  PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS (100 – 200 PPM);  INCONSCIÊNCIA (500 A 700 PPM);  MORTE (ACIMA DE 700 PPM)
6.2.4. IDENTIFICAÇÃO DE INFLAMÁVEIS
 Cada substância inflamável possui um L.I.I. ( limite Inferior de Inflamabilidade ) % de Volume. O detector de gás inflamável deve ser calibrado com um gás padrão, que será a referência do mesmo em % de volume;  Quando um detector for calibrado com gás metano, LII = 5,0% VOL (por ex.), e, encontrar com uma atmosfera com gás HEXANO, LII = 1,2% VOL, a leitura de 40% do LII será, na verdade, de 109% do L.I.I.
Curso NR 33 – Espaço Confinado: Consulte-nos.