Curso de GLP – Gás Liquefeito de Petróleo

      Nenhum comentário em Curso de GLP – Gás Liquefeito de Petróleo

Curso de GLP – Gás Liquefeito de Petróleo aborda o seguinte conteúdo programático:
Noções, Origem  e  Composição GLP;
Características e as vantagens do GLP;
Manipulação, recebimento, distribuição;
Engates, válvulas e acessórios;
Instalações industriais e domesticas;
Procedimentos operacional;
Procedimentos de Segurança.
Apresentação mostrando o poder de explosividade do GLP.
Painel para demonstração de gás na sua fase liquida.
Prevenção de Acidentes +Primeiros Socorros +  DEA

Curso de GLP - Gás Liquefeito de Petróleo

Curso de GLP – Gás Liquefeito de Petróleo

Carga Horária:  Curso de GLP – Gás Liquefeito de Petróleo
Capacitação para Atividades de manipulação constante  próximo ao riscos ou resíduos = 40 horas/aula
Capacitação para Atividades  e contatos esporádicos =  24 horas/aula
Atualização(Reciclagem)   – Carga horária  mínima = 08 horas/aula

CERTIFICAÇÃO: Será expedido o Certificado para cada participante que atingir o  aproveitamento mínimo de 70% (teórico e prático) conforme preconiza as Normas Regulamentadoras.

Atualização (Reciclagem): É recomendável anualmente ou se ocorrer evento que indique a necessidade de atualização.

Saiba mais Curso Curso de GLP – Gás Liquefeito de Petróleo:
A demanda por transportes tem evoluído e por via de consequência acompanha o desenvolvimento econômico do país. Tal fato requer do segmento de transportes adequações para atender a demanda. A atuação do Poder Público no que se refere ao transporte rodoviário de produtos perigosos deve não apenas assegurar condições ao desenvolvimento socioeconômico, mas prioritária e vinculadamente, garantir a máxima proteção e preservação da segurança dos usuários da via, da população lindeira e do meio ambiente, sadio e ecologicamente equilibrado, conforme preconizado na Constituição Federal de 1988.
O histórico de acidentes envolvendo o transporte rodoviário de produtos perigosos no Brasil e no mundo tem demonstrado por provas claras que a falta de conhecimentos com relação aos cuidados inerentes a atividade tem sido a causa principal de inúmeras tragédias.
É dever do Poder Público produzir informações e dados relacionados ao transporte de produtos perigosos; assim como, sobre seus eventos, acidentes, causas e efeitos; e ainda, sobre veículos, unidades de transporte, acondicionamento de cargas, produtos, substâncias, materiais, normas de construção, sinalização, fiscalização etc., dando ampla publicidade,
disponibilizando-as e divulgando-as à coletividade, com vistas principalmente aos aspectos preventivos e inclusive buscando por meio da promoção da educação ambiental em todos os níveis, a conscientização pública para a preservação da segurança viária e do meio ambiente.
Departamento de Estradas de Rodagens – DER / SP
Curso de GLP – Gás Liquefeito de Petróleo

2- IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS
De todos os segmentos que trabalham com produtos perigosos, segundo as estatísticas disponíveis no Estado de São Paulo, as atividades realizadas no transporte rodoviário são as que mais tem contabilizado ocorrências envolvendo acidentes com vazamento de produtos perigosos para o meio ambiente. Estes veículos circulam por áreas densamente povoadas e vulneráveis do ponto de vista ambiental, agravando assim os impactos causados ao meio ambiente e à comunidade, quando dessas ocorrências.
Liberações acidentais de produtos químicos no meio ambiente, dependendo das características físicas, químicas e toxicológicas dessas substâncias, podem originar diferentes tipos de impacto, causando danos à saúde pública, ao meio ambiente, à segurança da população e ao patrimônio, público e privado. Assim, a legislação vigente determina que todos os veículos que transportam produtos perigosos devem portar informações que facilitem a identificação dos produtos transportados e de seus respectivos riscos.
Curso de GLP – Gás Liquefeito de Petróleo

Uma das primeiras ações a ser executada em um cenário acidental envolvendo o transporte rodoviário de produtos perigosos, é o da pronta classificação e identificação dos produtos envolvidos. O acesso às informações relativas às características físicas e químicas do produto, irá subsidiar as equipes na imediata adoção das medidas de controle, reduzindo os riscos para a comunidade, aos próprios atendentes da ocorrência e ao meio ambiente.
A Associação Brasileira de Normas Técnicas, (ABNT) é o Foro Nacional de Normalização.
As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidades dos  Comitês Brasileiros
(ABNT/CB), dos Organismo de Normalização Setorial (ABNT/NOS) e das Comissões de Estudos Especiais (ABNT/CEE),são elaboradas por Comissões de Estudos (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: consumidores e neutros (universidades, laboratório e outros). A ABNT NBR 15863, que estabelece os requisitos mínimos para o treinamento e reciclagem  de profissional para realização das operações de abastecimento a granel de Gás LP, foi   elaborado pelo Comitê Brasileiro de Gases Combustíveis (ABNT/CB-09), pela Comissão de Estudos de Instalações destinadas á Armazenamento e ao Abastecimento de Gases Combustíveis  (CE-09;402.01), em vigor a partir de 10.08.2011.
Curso de GLP – Gás Liquefeito de Petróleo

O conteúdo que veremos a seguir foi elaborado visando a atualização de conhecimento, para uma operação eficaz e segura, aderente a todos os requisitos de NRB 15863:2010.Neste módulo veremos os conceitos base para a compreensão da atividade de operação do Sistema de abastecimento de Gás LP. São eles:
Unidades de medida de grandezas físicas (conversão de unidade de medidas);
Noções de Gás LP (conhecimento de produto);
Noções de áreas classificadas (equipamento adequado e trabalho seguro);
UNIDADES DE MEDIDA DE GRANDEZAS FÍSICAS
Para o nosso trabalho diário, faz-se necessário resgatarmos alguns conhecimentos aprendidos durante nossa formação educacional.
Os conhecimentos a seguir o apoiaram durante a leitura dos equipamentos de abastecimento
e conversão de medidas para cálculo da quantidade de produtos comercializado ao cliente. São eles:
Unidade de medida
É uma medida (ou quantidade) especifica de determinada grandeza física usada para servir de
padrão para outras medidas. Exemplos de unidade: tempo,  comprimento, velocidade, aceleração, força, energia, trabalho,  temperatura, pressão. Para a nossa aplicação, nos concentraremos  nas grandezas listadas a seguir:
Comprimento: Tamanho de um objeto, considerando de uma a outra extremidade. As unidades de comprimento tradicionais: Quilometro (KM): 1.000 m, palmo: 22 cm, entre outras.
Ex: A sua altura (ou o seu tamanho, como falamos popularmente).
Massa: Quantidade de matéria contida em um objeto ou um corpo, independente do lugar que ele estiver no espaço. Unidade de medida tradicional: quilograma (Kg).  Ex: Qual a sua massa?
Força: A causa de qualquer modificação no espaço de um corpo, podendo causar sua
deformação ou alteração do espaço de movimento, tirando o corpo do repouso ou movimento retilíneo uniforme Ex: Resultado de um chute em uma bola.
Volume: As medidas de volume possuem grande importância nas situações envolvendo
capacidade de sólidos, podemos definir volume como o espaço ocupado pro um corpo ou a
capacidade que ele tem de comportar alguma substância. Ex. de medida de volume: metro quadrado – m² (comprimento x largura), metro cúbico- m²
(altura x comprimento x largura). Para exemplificar, podemos pensar no volume da caixa de água de  nossas casa.
Curso de GLP – Gás Liquefeito de Petróleo

Densidade: A densidade de um corpo poderá ser determinada pela quantidade de massa que o 
corpo possui dividido pelo volume que essa massa ocupa. Pode se dize que a densidade mede
o Grau de concentração de massa em determinado volume e pode ser determinada pela
expressão matéria.
Exemplo de densidade: mistura de água e óleo.
Área: Superfície plana, determinada. A unidade de medida mais utilizada é o metro quadrado – m²
Ex: A área construída ou livre (sem construção) de nossas casas.
Pressão: A pressão exercida pelas forças nos informa quão distribuídas ou concentradas elas estão.
Para conhecer o valor de uma pressão, precisamos de duas informações:
1)   A intensidade da força resultante;
2)            A área da superfície na qual as forças agem.
A unidade do sistema internacional para medir a pressão é o Pascal (PA).
CURIOSIDADE:  Quem exerce mais pressão sobre o capacete:
Um homem andando com um sapato de segurança, ou uma mulher com salto fino.
Resposta: A mulher com o salto fino. Quanto mais concentrada, maior será a pressão.
Outro exemplo: A pressão do pneu do carro.
Temperatura: Podemos descrever a temperatura de um objeto ou corpo como aquela que determina a sensação de quando ele esta quente ou frio quando entramos em contato com ele.
Unidades de Eletricidade:
Antes de apresentarmos as unidades de medida de eletricidade, vamos falar um pouco sobre o que é eletricidade.
O estudo da eletricidade se iniciou na Antiguidade, por volta do século VI a.C., com o filósofo e matemático grego Tales de Mileto. Ele, dentre os maiores sábios da Grécia Antiga, foi quem observou o comportamento de uma resina vegetal denominada de âmbar. Ao atritar essa resina  com tecido e/ou pele de animal, Tales percebeu que daquele processo surgia uma importante propriedade: o âmbar adquiria a capacidade de atrair pequenos pedaços de palha e/ou  pequenas penas de aves. Em grego, a palavra elektron significa âmbar, a partir desse vocábulo  surgiram as palavras elétron e eletricidade.
Já no século XVIII o cientista norte-americano Benjamin Franklin, o inventor do pára-raios, teorizou que as cargas elétricas eram um fluido elétrico que podia ser transferido entre os corpos (inclusive o corpo do ser humano).
Contudo, hoje já se sabe que os elétrons é que são transferidos. O corpo com excesso de elétrons está eletricamente positivo. Mas qual é o ramo de estudo da eletricidade? O estudo da eletricidade se divide em três grandes partes:
Eletrodinâmica
Estuda a energia em movimento. Ex.: Turbina de usina hidrelétrica.
Curso de GLP – Gás Liquefeito de Petróleo

Eletromagnetismo
Estuda a relação existente entre a eletricidade e o magnetismo. A partir dessa descoberta, foi possível construir aparelhos que funcionam por meio da indução eletromagnética e que transformam energia   mecânica em energia elétrica, Ex.: Imã, Eletrostática Estuda as propriedades e o comprimento de cargas elétricas nos corpos em repouso, que de alguma forma se tornam carregados de carga elétrica, ou eletrizados. É uma energia invisível ao  olho nu, mas muito perigosa na ocorrência de acidentes. E a que está mais presente no nosso  dia a dia de trabalho. Ex.: Queda de raio em pessoas expostas a tempestades, etc.
Curso de GLP – Gás Liquefeito de Petróleo

Agora sim, vamos à [s unidades de medidas de eletricidade:
Tensão Elétrica – diferença de potencial elétrico (capacidade de um corpo atrair ou repelir cargas  elétricas) entre pontos (+ -). Sua unidade de medida é o volt, em homenagem ao físico italiano  Alessandro volta.Potência – é a rapidez com a qual uma certa quantidade de energia é transformada ou é a rapidez com que o trabalho é realizado. A unidade de medida é W (Watt).
Corrente – É o fluxo ordenado de partículas composta por carga elétrica. Ex.: raio, energia elétrica (fluxo de elétrons através de um condutor elétrico, geralmente metálico).